Comentários

Como nosso humor afeta a tomada de decisão

Como nosso humor afeta a tomada de decisão

Até poucas décadas atrás, o emoções eles não eram algo excessivamente levado em consideração ao aprofundar e explicar o comportamento humano. Gradualmente, a psicologia estudava a enorme importância que esses sentimentos tinham em nosso comportamento, inclusive na tomada de decisões. Desde a escolha entre duas marcas de xampu no supermercado, até a decisão de quais empregos aceitar entre duas cidades diferentes, as emoções desempenham um papel tão importante que muitos estudos foram realizados sobre o assunto. Hoje, do psicoativo, comentamos o papel fundamental que as emoções e o humor desempenham em nossa capacidade de decidir.

Conteúdo

  • 1 Emoções e tomada de decisão
  • 2 elementos positivos que contribuem com emoções
  • 3 Quando as emoções não são tão boas aliadas
  • 4 Emoções específicas e seu impacto ao decidir

Emoções e tomada de decisão

Ele humor e emoções Eles não apenas influenciam os processos de tomada de decisão, mas às vezes os determinam completamente. Aprender como trabalhamos nesses casos pode nos ajudar a ser mais objetivos e práticos.

Algumas pessoas dizem que é melhor deixar de lado as emoções ao decidir, para chegar à conclusão mais racional, mas esses sentimentos também são elementos muito importantes a serem levados em consideração, porque funcionam como um impulso necessário para agir, transmitindo mensagens de nosso corpo sobre o que queremos e o que não queremos em nossas vidas. Outras pessoas, no entanto, argumentam que "ouvir o coração" ou "instinto" nos levará à melhor decisão, que também pode ter implicações negativas, como as que veremos abaixo.

Elementos positivos que trazem emoções

Quando tomamos decisões baseadas em emoções e não na racionalização, há várias diferenças que podem ser positivo e negativo.

Em situações de sobrevivência em que você precisa reagir momentaneamente, as emoções podem tornar a tomada de decisão mais rápida que quando a racionalidade desempenha um papel maior. Uma emoção como ele medo, torna nossa capacidade de agir mais reativa, o que pode ser positivo quando precisamos agir rapidamente para preservar nossa sobrevivência.

As emoções também são muito positivas quando opções para escolher são muito semelhantes. Eles ajudam a selecionar o que o indivíduo realmente deseja de forma mais clara. Além disso, as emoções podem nos levar a considerar os sentimentos dos outros e ter empatia por eles ao tomar decisões, o que às vezes pode ser uma contradição ao interesse próprio, mas alcança maior solidariedade entre os seres humanos.

Quando há emoção durante a experiência de uma experiência, nosso cérebro processa e armazena as informações com mais precisão, levando-nos a aprender mais profundamente e a tomar decisões futuras com base nessas experiências.

Quando as emoções não são tão boas aliadas

Em situações mais complexas que exigem muitos elementos a serem considerados, agir de maneira reativa pode ser contraproducente. Existem situações problemáticas que requerem reflexão e consideração de fatores muito diferentes, pois as consequências de uma má decisão podem ter efeitos muito negativos. Essas são decisões que geralmente são tomadas a longo prazo e exigem paciência e boa observação.

Quando as emoções são muito intenso e influenciar demais a tomada de decisão, isso pode deixar pouco espaço para a racionalidade e muitas vezes atrair consequências negativas. Embora tentemos justificar-nos racionalmente, nossa reflexão foi anulada pela magnitude de nossos sentimentos a qualquer momento, deixando pouco espaço para consideração de vários fatores, implicações e possíveis conseqüências. É por isso que, ao tomar uma decisão importante, é muito necessário aguardar para ficar calmo e mais consciente desses fatores.

Emoções específicas e seu impacto ao decidir

Algumas das emoções mais estudadas sobre suas implicações na tomada de decisão são:

Medo e incerteza

Ele medo É uma emoção intensa que cria uma sensação de incerteza, de medo do que pode acontecer. Isto pode nos levar a reagir rapidamente a uma situação extrema ou nos deixar bloqueados quando o medo é permanente e consolidado. Expressões como "tudo vai dar errado" ou "acho que não consigo fazer isso" vêm de uma sensação de medo que não nos permite contemplar a situação racionalmente ou encontrar coragem para decidir.

Raiva e confiança

De acordo com psicólogos e pesquisadores como Jennifer Lerner, da Universidade de Harvard, A raiva, ao contrário do medo, cria um senso de confiança que leva a um risco maior, minimizando seu perigo.. A raiva ativa as pessoas e elas tendem a buscar uma consequência mais intensa e imediata. É a emoção que geralmente exige algo que consideramos injusto, mas pode simplificar nosso pensamento, levando à confusão, em vez de tomar uma boa decisão.

Positividade excessiva

Embora pareça surpreendente, Sentimentos muito elevados de felicidade e alegria não são grandes aliados na tomada de decisões. As emoções positivas ajudam a tomar decisões mais rapidamente, no entanto, um excesso de positividade parece estar relacionado à maior confiança no apelo de uma decisão, ignorando outras mensagens importantes que falam mais sobre a qualidade da decisão.

Tristeza e humor negativo

Pelo contrário, tristeza não excessiva pode tornar nosso pensamento mais sistemático. Assim, tendemos a processar e refletir melhor sobre fatores que não são tão atraentes, analisando melhor as situações. Mas, novamente, tristeza excessiva leva a um bloqueio e a uma reflexão de pensamentos que podem levar as pessoas a confusão e imobilização, tomando decisões erradas com base no pessimismo mais extremo.

Como podemos ver, emoções geralmente excessivamente intensas, raiva, alegria e tristeza, nos fazem processar situações e problemas de maneira tendenciosa. Certas doses de emoção são completamente necessárias para ativar e condicionar nossa capacidade de decidir de acordo com nossos desejos, mas lembre-se: se você deve tomar uma decisão importante que pode ter conseqüências muito visíveis a longo prazo, é melhor contemplar a situação com calma e tranquilidade, por exemplo. sistematicamente, para que o processo não seja prejudicado por uma explosão de emoções momentâneas que não nos permitiram estudar bem a situação.

Links de interesse

O melhor espaço para tomar decisões. Olga Khazan (2016) //www.theatlantic.com/science/archive/2016/09/the-best-headspace-for-making-decisions/500423/

A tomada de decisão emocional pode melhorar as decisões quando gerenciadas como parte do processo. //www.decision-making-solutions.com/emotional_decision_making.html

Como suas emoções influenciam suas decisões. Svetlana Whitener. (2018). //www.forbes.com/sites/forbescoachescouncil/2018/05/09/how-your-emotions-influence-your-decisions/#4d21843fda65