Em formação

Por que tantas pessoas estragam sua experiência de videogame trapaceando?

Por que tantas pessoas estragam sua experiência de videogame trapaceando?

Desde criança, fico perplexo com a existência de pessoas que compram um videogame por uma tonelada de dinheiro e um "guia de estratégia" brilhante para acompanhá-lo. Em seguida, eles chegam em casa e leem o "guia de estratégia" para ver "aonde ir", e então fazem isso no jogo. Em vez de experimentar o jogo, eles apenas "seguem as instruções", vencendo o jogo rapidamente. Em seguida, eles supostamente passam para o próximo jogo e fazem a mesma coisa.

Posso entender muito se alguém que está impotente preso em Zelda no NES, tendo caminhado desamparado por três semanas consecutivas, queimando arbustos e bombardeando cada pixel do mundo superior, mas simplesmente não consegue encontrar a jangada em lugar nenhum, recorrer a "procurá-la "ou ligando para a" Nintendo Hotline "para obter ajuda. Ainda não tolero, pois vai tirar a satisfação de eventualmente encontrar a solução por conta própria, mas eu mesmo fiz isso, então entendo como alguém pensa em tal situação.

No entanto, não estou falando sobre jogadores "normais" ou "razoáveis". Estou falando sobre aqueles que parecem perder todo o sentido de um videogame, e que provavelmente pressionariam uma combinação secreta no gamepad para pular direto para os créditos finais se houvesse tal trapaça. Ignorando toda a ... coisa. A experiência.

O jogo é andando desamparado, conversando com as pessoas, tentando fazer seus próprios mapas no papel ou mentalmente, tendo ideias que parecem fazer sentido, mas acabam se revelando falsas. Mas pelo menos você tentou. E quando você finalmente descobre, não importa o tempo que demore, parece fantástico.

O jogo não é apenas uma questão de "conectar os pontos" caminhando do ponto A ao ponto B o mais rápido possível, e então ao ponto C, e então D e assim por diante. Ouso dizer que pouquíssimos jogadores são tão sortudos / inteligentes. Você deve melhorar lentamente e descobrir as coisas aos poucos, até dominar o jogo. Então, e só então, você merece ver os créditos finais. Então, e somente então, parecerá uma realização. Então, e só então, faria sentido gastar todo aquele dinheiro para o jogo.

Eu continuo assistindo as pessoas jogarem em emuladores no Twitch. Eles ignoram completamente toda a mecânica do jogo, salvando e carregando estados sem levar em conta qualquer mecanismo que o jogo ofereça. Eles ficam com um walkthrough GameFAQs aberto o tempo todo, lendo dele em vez de "perder" um único minuto no jogo para tentar ir a algum lugar e apenas explorar. Para experimentar o jogo como foi planejado.

"Então, para onde eu vou agora?" é uma pergunta comum. Eles parecem estar tão acostumados a trapacear ao longo da vida que seus cérebros não conseguem compreender o conceito de realmente fazer algo "de verdade". Nunca passaria pela cabeça deles realmente ouvir o que é dito no jogo e tentar explorar com base nessas informações, o objetivo geral e, claro, sua própria curiosidade.

Os melhores momentos de jogo que já tive vieram de me imaginar realmente no mundo do jogo e explorando - não de encontrar a rota ideal para a próxima masmorra para golpear mecanicamente algum chefe depois de resolver uma série padronizada de quebra-cabeças.

Então, por que tantas pessoas vêem isso apenas como um tipo de "tarefa" que, de alguma forma, ainda querem fazer, mas apenas como uma obrigação de "superá-la" o mais rápido possível?


Os trapaceiros e exploradores do GTA V podem estar arruinando o jogo para outros usuários mais legítimos.

Recentemente, parece que tem havido muita tolice acontecendo dentro GTA V no PC. Ser lançado no PC significa que há mais oportunidades de realmente tirar vantagem do jogo. Ferramentas de script, ferramentas de modding e aqueles que são corajosos o suficiente para investigar os delicados arquivos do jogo podem descobrir que há muitas oportunidades.

Os cheats mais prolíficos que você pode encontrar com GTA V não parece ser terrivelmente malicioso, apenas maneiras pessoais de ganhar dinheiro e itens no jogo. Ainda outros cheats são apenas para o modo single player e não afetam a experiência de ninguém. Quem não gostaria de ter uma quantidade enorme de dinheiro à disposição para lançar no veículo mais blindado mais rápido, maiores armas e o lugar mais bonito do jogo? A maioria das pessoas adoraria a oportunidade, mas às vezes ela está em desacordo com a filosofia de outros jogadores e também pode se tornar um tanto perniciosa por natureza, cruzando aquele limite socialmente aceitável.

Armas de tiro de dinheiro, modo de Deus e muito mais fizeram seu caminho para o segmento GTA V Online e estão começando a irritar outros usuários. Você pode pensar que uma arma que atira em você é uma dádiva de Deus, especialmente porque agora você pode ganhar dinheiro levando um tiro no rosto. Mas talvez não. Consegui falar com alguém que aproveitou mais horas em GTA V do que na vida real, e ele tem algumas idéias interessantes sobre o assunto.

A primeira coisa que vi foi alguém atirando em sacos de dinheiro com uma minigun, assim 'dando' aos jogadores quantias ilimitadas de dinheiro ao atirar no chão e deixar que outros jogadores o pegassem. Agora, por mais engraçado que pareça, ele destrói o núcleo do GTA Online. Sim, as pessoas agora podem obter todo o dinheiro e desbloquear tudo o que quiserem e, sim, elas se divertirão por enquanto. A questão é que eu presumiria que os jogadores ficarão entediados muito mais rápido do que normalmente. Qual é o sentido de jogar esses roubos difíceis para conseguir toneladas de dinheiro, quando você não precisa de nada porque você já tem tudo. Este assim chamado treinador é um assassino de jogabilidade. Além disso, para as pessoas que jogam legitimamente, esse hack destrói a diversão de obter seus veículos incríveis também. Ninguém ficará impressionado com a quantidade de dinheiro que você tem, porque eles simplesmente presumirão que você trapaceou como todos os outros. É por isso que a Rockstar precisa enfrentar esses trapaceiros imediatamente, antes que todos usem esses cheats e o jogo acabe em um mês.

-Prumo

E isso é apenas a ponta do iceberg. O dinheiro é fantástico e pode ter um efeito positivo em muitos jogadores, mas e quanto ao modo Deus e aos hacks de baixa gravidade abrindo caminho para o mundo online? E se alguém atirasse em você com um harrier com munição ilimitada enquanto você não pudesse fazer nada para se defender? Embora não seja uma competição, não contra quaisquer regras, por si só, mas certamente é mais do que apenas um aborrecimento. Um monitor quebrando, aborrecimento de tiro de caixa.

Além disso, o cheat dá aos jogadores maneiras de serem invulneráveis ​​(modo divino). Os trapaceiros voam em jatos e matam todos que vêem, enquanto outros jogadores não são capazes de revidar, já que os trapaceiros não sofrem nenhum dano. Isso obviamente mata a experiência de jogo de qualquer jogador legítimo e os força a usar esse cheat também para poder jogar. Além disso, existe um 'truque de suicídio' que faz com que qualquer jogador de sua escolha cometa suicídio no mapa. Absolutamente nada que um jogador possa fazer a respeito.

-Prumo

Trapacear pode arruinar os jogos. Mais especificamente, trapacear pode arruinar jogos nesse tipo de ambiente, onde outros jogadores também são afetados. Basta dar uma olhada no vídeo abaixo, que mostra algumas das travessuras que podem ser vistas no jogo.

Claro, é hilário no início e continua a ser divertido, mas onde traçamos o limite? É justo que outras pessoas sejam forçadas a trapacear? E aqueles que realmente afetam a jogabilidade, como ser constantemente morto por um carro voador sem nenhuma maneira real de pará-lo. Você pode rir e pensar que quem quer que seja, deveria apenas engolir. É sempre engraçado até que realmente aconteça com você.

Como você pode ver, o treinador destrói a experiência de jogo de qualquer jogador legítimo de GTA 5 e quase os força a baixar este treinador e usá-lo para si próprios. Se a Rockstar Games não for rápida o suficiente, temo que já seja tarde demais e GTA Online consistirá apenas de trapaceiros.

Mesmo que tudo isso seja negativo, o treinador permite uma boa diversão. Não me interpretem mal, não quero que ninguém use este treinador, mas existem algumas coisas muito engraçadas a serem feitas, o que seria uma boa adição ao jogo real, se fosse possível.

Recursos como voar com um carro, usar baixa gravidade, fazer coisas explodirem com o seu punho e assim por diante podem ser muito divertidos e parecem uma boa maneira de manter o aspecto de free-roam divertido. Os jogos da Rockstar poderiam permitir esse tipo de recursos se fizessem 'jogos personalizados' onde os jogadores pudessem brincar e andar livremente, sem influenciar o nível ou o dinheiro do jogador. Faça disso uma adição ao jogo, onde os jogadores podem brincar uns com os outros, gerar objetos e se divertir muito. O treinador tem alguns aspectos realmente divertidos, mas em um lobby online de GTA 5 real isso não deveria ser possível.

Para resumir tudo isso em uma curta história: O cheat deve ser interrompido pela Rockstar Games imediatamente, porque destrói a experiência / diversão do jogo principal. No entanto, acho que permitir os recursos de 'diversão' em um novo tipo de 'jogo personalizado' seria uma grande adição ao jogo, onde dinheiro / nível não seriam uma coisa. Deixe as pessoas mexerem usando alguns truques malucos, mas não permita isso nos lobbies oficiais do GTA 5 Online.

Ainda temos que ver o que a Rockstar Games fará para impedir isso, e se eles tomarão alguma atitude contra aqueles que usaram o cheat. O dinheiro já está fluindo, então meu palpite é que não será possível deletar todo o caixa criado. No final, teremos apenas que ver.

-Prumo

Todos os jogos podem ser explorados até certo ponto, e provavelmente todos nós usamos exploits integrados para desfrutar de jogos com uma nova perspectiva. Lembro-me de ativar o no-clip em Quake 2 e Terremoto para me tirar de situações difíceis. Mas isso é quase esperado e é mais do que socialmente aceitável. Mas uma vez que você passa para as façanhas multijogador, isso está indo por um caminho muito escuro e sinuoso. Você sendo para efetuar o sustento de outros jogadores.

Mas talvez seja tudo bobagem e reclamação porque, afinal, isso é apenas um jogo. Mas às vezes você fica muito orgulhoso de suas conquistas em um videogame e não quer que seus esforços sejam desperdiçados porque outra pessoa está aproveitando o jogo de maneira diferente.

O que a multidão aqui pensa sobre façanhas e trapaças em geral? Eles são uma política aceitável?

[Atualizar] As pessoas nos comentários têm apontado que a Rockstar Games está de fato banindo pessoas que usam exploits, treinadores e cheats. Eles estão banindo essa atividade tanto para um jogador quanto para vários jogadores. Eles registram as ações por meio de sua conexão com o Social Club e, em seguida, decretam o banimento. Também parece que eles não estão fazendo nenhuma distinção entre aqueles que têm um efeito negativo sobre outras pessoas e aqueles que apenas mudam o jogo, mas não acrescentam nenhuma vantagem adversa.

Isso é triste porque alguns realmente não são maliciosos e apenas adicionam ao seu próprio jogo, às vezes tornando um certo aspecto um pouco mais tolerável. Acho que todos nós podemos entender banir aquelas pessoas que saem por aí matando outros jogadores, mas um mod FOV?

Além disso, por que limitar um único jogador? Trapacear para um jogador é apenas de natureza pessoal e não se transfere para o ambiente multijogador. Contanto que não haja nenhuma atividade de trapaça no multijogador, por que banir ambos? Realmente não faz sentido lógico. Claro que existe a possibilidade de que aqueles com treinadores posso usá-los para ambos os modos, mas isso não significa necessariamente que vai. Isso é um pouco demais, eu acho.

Talvez um pouco mais de discrição por parte da Rockstar para fazer a distinção seja o melhor. Nem tudo vai estragar o jogo para todos.


Tortura por triangulação

Para aproximá-lo, o psicopata cria uma aura de desejo, de ser desejado e cortejado por muitos. Eles fabricam triângulos amorosos com ex.

Do livro Psychopath Free, agora disponível nas lojas Barnes & amp Noble em qualquer lugar e online em: http://Book.PsychopathFree.com

Para aproximá-lo, narcisistas e psicopatas criam uma aura de desejo - de ser desejado e cortejado por muitos. Tornar-se-á um ponto de vaidade para você ser o objeto preferido da atenção deles, para afastá-los de uma multidão de admiradores. Eles fabricam a ilusão de popularidade cercando-se de membros do sexo oposto: amigos, ex-amantes e seu eventual substituto. Em seguida, eles criam triângulos que estimulam a rivalidade e aumentam seu valor percebido. (Adaptado de “The Art of Seduction” de Robert Greene).

Uma nota antes de continuar: as pessoas se apaixonam e deixam de amar. As pessoas encontram um novo amor, antes e depois que os relacionamentos chegam ao fim. As pessoas traem umas às outras. Esta seção não é sobre essas ocorrências cotidianas - não importa o quão dolorosas e injustas elas possam ser. Em vez disso, descreverei um conjunto muito específico de padrões e comportamentos que os psicopatas utilizam para torturar e controlar seus alvos.

Os psicopatas, como a maioria dos predadores, buscam poder e controle. Eles querem dominar seus parceiros sexual, emocional e fisicamente. Eles fazem isso explorando vulnerabilidades. É por isso que eles bombardeiam você com atenção e bajulação no início do relacionamento - porque não importa o quão forte ou confiante você seja, estar “apaixonado” o torna vulnerável por padrão. Os psicopatas não precisam de agressão física para controlar você (embora às vezes eles precisem). Em vez disso, os relacionamentos fornecem a oportunidade perfeita para consumi-lo, fabricando a ilusão do amor. É por isso que é tão prejudicial quando os espectadores dizem: "Bem, por que você simplesmente não foi embora?" Você nunca entrou em um relacionamento com o psicopata esperando ser abusado, menosprezado e criticado - primeiro, você foi levado a se apaixonar, que é o vínculo humano mais forte do mundo. Os psicopatas sabem disso.

Então, como os psicopatas mantêm um vínculo tão poderoso com seus alvos? Um de seus métodos favoritos é a triangulação. Quando menciono esse termo, os sobreviventes geralmente o igualam ao próximo alvo, mas nem sempre é o caso. Os psicopatas usam a triangulação regularmente para parecerem em “alta demanda” e para mantê-lo obcecado por eles o tempo todo. Isso pode ocorrer com qualquer pessoa:

A capacidade do psicopata de preparar os outros é incomparável. Eles sentem uma euforia intensa quando colocam as pessoas umas contra as outras, especialmente quando é por causa de uma competição para elas. Os psicopatas criarão situações para deixá-lo com ciúme e questionar sua fidelidade. Em um relacionamento normal, as pessoas se esforçam para provar que são confiáveis ​​- mas o psicopata faz exatamente o oposto. Eles estão constantemente sugerindo que podem estar buscando outras opções, ou passando tempo com outras pessoas, de modo que você nunca possa se estabelecer em um sentimento de paz. E eles sempre vão negar isso, chamando você de louco por trazer isso à tona.

O problema aqui é que você está acostumado a um nível tão alto de atenção depois que eles o atraíram pela primeira vez, por isso parece muito pessoal e confuso quando eles direcionam essa atenção para outro lugar. Eles sabem disso. Eles vão "esquecer" os planos com você e passar alguns dias com amigos de quem sempre reclamaram para você. Eles vão te ignorar para passar mais tempo com sua família, quando inicialmente lhe disseram que todos eles eram pessoas horríveis. Eles buscarão a simpatia de um ex quando um membro de sua família morrer e explicarão que eles apenas têm uma "amizade especial" que você não entenderia. Freqüentemente - senão sempre - esse ex é alguém que primeiro alegou ser abusivo e instável.

Buscar atenção, simpatia e consolo de pessoas que não são você é uma tática muito comum do psicopata. Como uma pessoa empática e como seu parceiro, você corretamente sente que eles deveriam estar procurando conforto em você. Você sempre os curou no passado, então o que é diferente agora? Certa vez, eles alegaram que eram uma pessoa quebrada e que você era a razão de eles serem felizes novamente. Mas agora, eles se voltam para amizades privadas ou relacionamentos anteriores que você “nunca entenderia”. E eles sempre farão questão de enfiar isso na sua cara.

Isso me leva ao próximo tópico: mídia social.

A tecnologia torna muito mais fácil para os psicopatas manipularem por meio da triangulação. Pode ser tão simples como gostar de um comentário de um antigo ex e ignorar um seu. Eles irão "acidentalmente" carregar um álbum de fotos onde estão abraçando o ex que alegaram odiar. Tudo parece não ser intencional - muitas vezes você atribui isso à insensibilidade - mas não se engane: é calculado com cuidado.

Eles postarão status, músicas e vídeos estrategicamente ambíguos que sugerem que você pode estar “perdendo-os”. Eles compartilharão coisas intencionalmente destinadas a atrair novos e antigos alvos. Por exemplo, uma piada interna com sua nova vítima. Ou a canção de amor que uma vez compartilharam com seu ex. Isso faz duas coisas: deixa você desequilibrado, ansioso e com ciúme. Mas também faz com que o competidor se sinta confiante, amado e especial. Eles estão cuidando de outros enquanto corroem sua identidade - dois pássaros com uma pedra.

Eles querem que você os confronte sobre essas coisas, porque são aparentemente tão mínimas que você parecerá louco e com ciúme por trazer isso à tona. Eles calmamente fornecerão uma desculpa para tudo e então culparão você. O abuso encoberto é impossível de provar, porque é sempre estrategicamente ambíguo. Você não pode provar que eles estão atraindo o ex por causa de uma música que postaram, mas você sabe disso intuitivamente. É assim que eles finalizam a loucura. Porque sejamos honestos: reclamar do status do Facebook e dos comentários do amplificador parece imaturo. É exatamente assim que eles querem que você se sinta.

Os psicopatas também são habilidosos em se cercar de doadores - pessoas inseguras que valorizam a si mesmas ao cuidar dos outros. É por isso que sua oferta parece tão insignificante e substituível durante o relacionamento. Eles adoram qualidades em outras pessoas que não são como você - às vezes até mesmo o oposto de você. A mensagem é simples: você não é mais especial. Você é substituível. Se você não der a eles a adoração que eles merecem, eles sempre terão outras fontes. E mesmo se você der a eles energia positiva, eles vão se cansar de você eventualmente. Eles não precisam de você. Sua atual rodada de fãs sempre irá mimá-los e admirá-los, fazendo você acreditar que eles realmente devem ser uma ótima pessoa. Mas dê uma olhada cuidadosa ao redor. Você notará que todos parecem ter uma miséria não dita.

A triangulação final acontece quando eles tomam a decisão de abandoná-lo. É quando eles começarão a falar livremente sobre o quanto esse relacionamento os está prejudicando e como eles não sabem se podem mais lidar com o seu comportamento. Eles geralmente mencionam ter conversado com um amigo próximo sobre seu relacionamento, entrando em detalhes sobre como ambos concordaram que seu relacionamento não era saudável. Nesse ínterim, eles estão ignorando descaradamente as mensagens frenéticas de você. Você ficará sentado aí se perguntando por que eles não estão conversando com você sobre essas preocupações, considerando que é o seu relacionamento.

Bem, a razão é que eles já tomaram a decisão de terminar com você - agora eles estão apenas torturando você. Eles só procuram conselhos de pessoas que sabem que concordarão com eles. Esse "amigo" com quem estão falando é provavelmente o próximo alvo.

Após a separação, eles irão se gabar abertamente de como estão felizes com seu novo parceiro, onde a maioria das pessoas normais se sentiria muito envergonhada e reservada por entrar em um novo relacionamento tão rapidamente. E ainda mais surpreendente, eles esperam que você seja feliz por eles. Do contrário, você fica amargo e com ciúme.

Durante este período, eles fazem uma avaliação pós-despejo. Se você se humilhar ou implorar, é provável que eles encontrem algum valor em sua energia. Eles ficarão enojados e encantados com seu comportamento. Se você atacar e começar a descobrir suas mentiras, eles farão tudo ao seu alcance para levá-lo ao suicídio. Mesmo se você voltar para eles mais tarde com um pedido de desculpas, eles irão desprezar permanentemente qualquer alvo que uma vez ousou responder a eles. Você já viu muito - o predador por trás da máscara.

É por isso que eles constantemente acenam seu novo parceiro na sua cara, postando fotos e declarando sua felicidade online. Provando o quão felizes e perfeitos eles são. É uma tentativa final de deixá-lo louco com a triangulação. Para fazer você culpar o novo alvo, em vez do verdadeiro agressor.

Os ex-namorados que ficam tensos não entendem que são marionetes do psicopata. Em vez disso, eles sentem que estão cumprindo algum tipo de belo dever como amigos - alguém que sempre estará lá para eles. Eles não entendem que só ficam por perto para apimentar as coisas quando o psicopata fica entediado. Eles não veem que são a base de tantas brigas - não porque sua amizade com o psicopata seja especial e invejável, mas porque o psicopata cria intencionalmente esse drama. Eles estão agindo sob a ilusão de que sua amizade com o psicopata é brilhante, única e sem precedentes. Quando na realidade, eles são usados ​​apenas para triangulação.

Então, como você pode se proteger desse abuso emocional devastador? Primeiro, você deve aprender o respeito próprio. Discutirei isso com mais detalhes posteriormente neste livro. Mas o ponto principal é que você precisa saber o que é um comportamento aceitável e inaceitável em um relacionamento. Você deve saber que um parceiro que trai e antagoniza não vale seu tempo. Você nunca deve apelar para se chamar de louco para dar conta de seu comportamento extremamente superficial. Mas isso é difícil de fazer com abuso sutil, dissimulado e louco.

Então, aqui é onde apresento “A Regra do Detetive”. A ideia é simples: se você se pega brincando de detetive com alguém, você o remove de sua vida imediatamente. Lembre-se de sua constante? Você brinca de detetive com eles? Você cyberstalk sua página do Facebook e questiona todas as suas intenções? Não, claro que não. Então você sabe que o denominador comum é externo.

Mesmo que essa sensação de desconfiança pareça obscura e irracional, confie em seu instinto. Se você está constantemente se preocupando ou duvidando de seus pensamentos, é hora de parar de se culpar e começar a agir.

Milagrosamente, cada vez que você remove aquela pessoa tóxica de sua vida, você descobrirá que a ansiedade diminui. Alguns de nós somos melhores em julgar a nós mesmos do que outros, então isso finalmente lhe dá a chance de colocar isso em prática. Você pode decidir se gosta ou não da maneira como se sente perto de alguém. Ninguém pode lhe dizer que seus sentimentos estão errados. Lembre-se da pergunta: “Como você está se sentindo hoje?” A resposta é tudo o que importa.

A triangulação deixa cicatrizes emocionais duradouras e faz com que você se sinta um monstro ciumento, carente e inseguro. Comece a curar essas cicatrizes e entenda que elas foram fabricadas. Você não era você mesmo - você foi manipulado. O verdadeiro você é gentil, amoroso, de mente aberta e compassivo. Nunca questione essas coisas novamente.

Escrevi um novo livro sobre cura de longo prazo. Whole Again está publicado! Se você gostaria de ser notificado sobre livros futuros, você pode inserir seu endereço de e-mail abaixo. Esta não é uma lista de discussão. Apenas uma notificação única:

Seu navegador não suporta iframes.


​Palavras finais

Enquanto formos humanos e permanecermos na Terra e associados uns aos outros, não podemos evitar desafios e nenhuma doutrina ou princípio de relacionamento competente o suficiente para ser considerado autossuficiente. De acordo com Pairedlife, "devemos abraçar os vários tipos diferentes de relacionamentos humanos e tratá-los todos igualmente, como famílias monoparentais, relacionamentos homossexuais ..." Portanto, buscar o relacionamento que parece proporcionar felicidade deve ser o objetivo de todos . Sua felicidade deve vir primeiro.

Você ama este artigo ou tem pensamentos pessoais sobre algum dos pontos dele, não hesite em colocá-los na caixa de comentários? Compartilhe com seus amigos e não se esqueça de apertar o botão de curtir.


Hackers assumiram o controle & # x27Among Us & # x27 e está & # x27s arruinando a experiência para todos

Se você nunca ouviu falar ou tocou Entre nós, você está perdendo. É o jogo mais quente da temporada.

O jogo basicamente remete à Máfia e ao Lobisomem, mas em uma pequena e fofa nave espacial. Alguns membros da tripulação estão ocupados mantendo e consertando o navio, enquanto outros o estão sabotando.

A natureza simples do jogo torna-o atraente para muitos. É por isso que é tão irritante que a natureza humana obtenha o melhor de algumas pessoas que acham melhor trapacear e arruinar o jogo para todos os outros.

De acordo com o Kotaku, se você pesquisar o jogo no Twitter ou no Reddit, com certeza encontrará pessoas reclamando dos hackers e trapaças em andamento.

Então, como eles trapaceiam?

Alguns jogadores trapaceiam comunicando-se com outros jogadores (principalmente com seus próprios amigos) em um chat separado ou em uma sala de chamada de voz, transmitindo informações sobre o impostor e o que ele pode ver.

Outros hackear o código do jogo que lhes permite mover-se realmente rápido, ver quem são os impostores ou matar todos instantaneamente.

Embora essas sejam duas formas muito diferentes de trapaça, elas simplesmente arruínam a experiência do jogo em todos os níveis. A diversão em adivinhar, deliberar e até mesmo acusar uns aos outros é jogada pela janela.

Este é o ponto de vista de um Hacker entre nós.

(sim, eu usei os hacks, não se preocupe, eu os apaguei depois.) pic.twitter.com/jzPRZfJsRb

- Poco ao redor do mundo (@Poco_BrawlStars) 29 de setembro de 2020

Por causa disso, resta 0 mistério.

O que me confunde é que eles não recebem incentivos ou recompensas por hackear e vencer. Eles provavelmente apenas se revelaram hackers e ninguém mais quer brincar com eles.

Eles são muito distorcidos ou entediados.

O desenvolvedor do jogo, InnerSloth, é composto por apenas três pessoas, então definitivamente levará algum tempo para consertar o problema do hacking.

Não se preocupe, pois esse fiasco provavelmente não será a queda do jogo extremamente popular, já que muitos usuários estão denunciando um hacker sempre que se deparam com um.

Meu conselho sobre ter encontrado alguns recentemente é chamá-los, contar ao seu grupo sobre isso no chat e expulsá-los. Esperançosamente, isso os deixará mais sábios.


Por que VOCÊ trapaceia / hackea videogames?

Isso foi feito originalmente para o & # x27h1z1 & # x27 reddit, mas há tantos trapaceiros nesse jogo que se houver qualquer mensagem sugerindo que fale sobre ele, ele será removido o mais rápido possível. Talvez isso também vá para mais jogos? Não sei, nunca estive neste submarino.

Se possível, vamos começar uma conversa séria aqui. Sem flamage ou trolling.

Sempre quis saber POR QUE as pessoas trapaceiam. Razões REAIS. Acho que jogadores LEGIT e VAPADORES são dois tipos de pessoas MUITO DIFERENTES. Talvez em um nível genético. LOL jk mas talvez não? JK. Não, mas sério. Eu nem mesmo.

Como um jogador mais velho, (30) eu estive por aí há algum tempo e ao longo de todos os meus anos de jogo, eu nunca trapaceei. Muitas pessoas usam a desculpa de que trapaceiam porque alguém os trapaceou, por favor. As pessoas trapacearam em quase todos os jogos que eu joguei e nunca achei necessário obter cheats. Você é apenas mais um trapaceiro de merda.

Eu encontrei muitos. Na minha experiência a maioria são mais jovens, são muito ruins com a mecânica do jogo. Talvez não taticamente, mas na maioria dos casos, isso também.

Eu fui chamado de trapaceiro por uma tonelada. Eu não, eu não sou apenas aquele jogador hardcore que leva isso bem, muito mais a sério do que você, eu faço o meu melhor para ficar melhor em cada aspecto de um jogo que eu gosto e planejo jogar horas e horas nele. Quando eu mato você e pra mim foi bolo mas você chora trapaceiro. Eu rio e trocamos palavras .. LOL .. Mas isso me faz ser muito melhor. Eu acabei de criar um trapaceiro? Foda-me. O ciclo continua. Tenho quase 900 horas no jogo, não espero ser derrotado com frequência e às vezes faço ou pego um atalho e me arrependo porque a pessoa contra quem eu & # x27m é tão boa quanto eu ou melhor e teve paciência naquele momento que Eu não. Tudo bem. Mas se você é novo em um jogo e eu o possuo. Não grite & quotHAX! & Quot (você ainda nem entende o jogo)

É porque eles tentaram e falharam, então eles pegam a muleta e confiam muito nisso e nunca se tornam um jogador médio / acima da média? Eu não sei. Eu joguei com muitas pessoas ao longo dos anos e existem apenas ALGUMAS pessoas que têm limites de habilidade baixos nos jogos. Eles atingiram seu pico muito cedo e não é mais divertido jogar com eles. (como um jogador hardcore) Um exemplo perfeito seriam os jogos MOBA, como League of Legends. Quando você não para de jogar e melhorar, ler, observar e descobrir seus defeitos e por que você não pode escalar. Seus amigos que juram que querem melhorar só jogam quando você está ligado e com você. Continuamente puxando merda do nível Bronze. Nossa, minha lista de amigos ficou mais clara.

Algumas dessas pessoas com baixo nível de habilidade são meus amigos íntimos, mas não trapaceiam e nunca trapacearão. Eles sabem que são ruins, mas jogam por "diversão". ESTE É o ponto em que VOCÊ se torna um trapaceiro? Você atinge o seu pico e ele não é bom o suficiente, você é derrotado com tanta frequência e caga com tanta frequência que você recorre à trapaça? Acho que todos podem aumentar seu limite de habilidade. É só que eles não querem tanto. Eles agem como fazem, falam como fazem. Mas na realidade eles só querem que você jogue com eles para que ganhem mais. Se vocês realmente querem ficar bons e ter a satisfação de enfrentar um esquadrão 1v4, obter todo o seu saque legítimo e se alimentar de suas lágrimas. Prática. Não seja preguiçoso. Descubra onde você precisa melhorar e FAÇA ISSO. insira o vídeo shia lebouf aqui Talvez você não carregue granadas suficientes com você. Talvez se você reiniciar a luta e vir de um ângulo diferente, você & # x27d aumente suas chances. Talvez você precise se forçar a usar mais a espingarda e melhorar. Junte-se aos BRs o dia todo e faça spam PV, encontre uma espingarda e não planeje ganhar, apenas mata. Etc. Cada vez que você MORRE. Pergunte a si mesmo o que VOCÊ poderia ter feito melhor. Todos podem melhorar, não importa o quão bons sejam, e há mais maneiras do que uma para cada situação. Às vezes eu tomo uma decisão ruim ou uma decisão ruim e eu ou minha equipe morreremos. Eu ficarei bem foda se eu tivesse nades e / ou flechas explosivas. Ou eles estavam em terreno elevado e poderíamos facilmente ter fugido e reiniciado a luta mais tarde. Eu estraguei tudo. Eu não vou trapacear ou chorar trapaça. Vou sentar lá por alguns momentos e analisar o que diabos eu poderia ter feito melhor. Algumas coisas, obviamente. Tudo bem da próxima vez. BAM. Contanto que eu não repita essa merda, eu melhorei.

Você nasceu um trapaceiro? Os legítimos / trapaceiros são DUAS pessoas muito diferentes? É MAIS PROFUNDO do que pensamos? Assim que descubro alguém que conheço trapaceia e / ou joga com trapaceiros. Eles são removidos da minha vida. Sem perguntas. Portanto, não sei as respostas.

Vamos descobrir. Diga-nos, você sempre trapaceou? Por que você não acha que é um grande negócio? O que o levou a trapacear? Você joga com amigos legítimos? Como eles se sentem? Todos os seus amigos trapaceiros são como você? Vocês são apenas amigos porque trapaceiam? É apenas para lamentar / irritar outras pessoas? If this is true, 100% the only reason then there's a deeper psychological problem, maybe ALL cheaters have this problem and there it is. The reason people cheat? Is it that simple?


People who hack in multiplayer games, why do you do it?

I understand modding and stuff like that but hacking is what gets me. When i'm playing an FPS and all of a sudden I encounter a guy who is invisible and invincible I just quit. It's not fun for anyone, maybe the guy who is doing it but you're ruining the game for everyone else. You may be laughing but everyone else now hates you just because of what you think is a joke. It's these types of people that ruin video gaming for me because all I want is a competitive game. Sorry for the rant but just had to get that out there.

Some people just want the attention. To them negative attention is better than no attention at all. These types of people are the reason why there is a lot of awareness for parents to spend time with children upto age 5.

Which is sad considering you never really know who you play video games with anyways.

Me and my friends love outsmarting hackers.

When Modern Warfare was huge a big hack on PC was one-hit-kill scripts that turned a single shotgun pellet at 50m meters into a anti-tank round.

However due to the mechanics of how it worked the ballistic shield stop ANY BULLET DAMAGE from passing through it, even if they set the script to do 1 billion damage, it counted for piss all if the shield blocked the shot.

So me and my mates would go full roman centurian all with shields, all with flak vest to negate blast damage, now and then even the other team would stop and help us by acting as human shields as normal TDM didn't have friendly fire on.

One match nearly times out but we won 75-71, 20 of those kills were against the hacker, beating him to death with shields or a sneaky nade when he was looking at another shieldbro.


Why do people cheat/hack in online games like Battlefield 3 ?

Hi, I'm a graduate student studying psychology - And a gamer. I've never used hacks or cheats in online FPS shooters, but I have some degree of knowledge about how they work.

What I'm really interested in is the WHY, why do people use cheats in games?

My research has so far told me that it is a deeply rooted issue of insecurity. Most of the cheaters use hacks to feel better about themselves. Society today tells us that we need to "feel-good" all the time otherwise its not worth doing it.

Also, some people use hacks just because other people are using them, and they are trying to either level the playing field or use it as a countermeasure.

Self-gratification. It makes you feel better to be superior to others and to ruin their fun.

This would be a fun question for r/psychology.

I will consider putting in there at some point

because they're really unsatisfied and upset with themselves in real life, so they take out that anger and frustration by ruining other people's fun

It's the same concept as watching fail videos on Youtube. People like to watch other people in distress. Always have.

Yes, but when people do it on and on again for years - doesn't it at some point become tiresome? I'm sure that even the most easily pleased 14 yr old will at some point grow tired of it. It doesn't get any more satisfying? with time, or does it?

i think you said the 2 main points:
they need to feel better about themselves, and they use them because others use them.
i think that the little kids who cheat need to get the fuck off the internet and stop fucking up our gaming experience, i refuse to buy any cod game because of the cheaters

I've seen someone admit he was hacking only for the fun of pissing off people.

I've only done it once, and it was fun shooting people through the walls. Then I stopped because it ruined the game for everyone (including me).

Also, Iɽ like to get your thoughts on why gaming companies like EA don't go after these "Professional" hacking-sites. They are in-fact generating an external revenue-stream off of their product, after all.

Most games these days come with a load of anti-piracy measures. Why is the focus on these guys who MIGHT or might NOT (most likely) be profiting from their product?

Companies don't go after them because probably no "company" or whatever you want to call it actually sells hacks, they probably allow donations/purchase through paypal for "forum access," and the many benefits access to the forums provide. One of those being the hack. Also, they just don't really stand to gain much from it, and overall it doesn't hurt them unless cheating is running rampant through their game, in which case they're probably fucked anyway.

Further, I don't think you'll find some blanket psychological answer as to why people in hack in video games. Some people do it to test their coding ability, pitting their hacks against others hacks. Though admittedly that's probably the least common. Some people might just be bored with the game, frustrated with their (lack of)ability in the game, see it as a way to get ahead of the competition, some to "troll/rage" etc.

People have been cheating pretty much since games were invented.

It's not worth the money, think about how many millions of dollars have been pledged to fight piracy. A significantly larger proportion of the population do this than cheat in video games and despite all the funds thrown at it it's still very easy to do. Why would EA care you've bought their game why would they pledge such a large amount of money for what everyone knows us probably a minimal change.

I've done it a few times, with an ESP hack (a hack that lets you see people around corners and sometimes things like their health and weapon). Every time it was because I wanted more information about the current game than I could get by paying attention to the signals the game gave me.

I don't really hack anymore because I mostly play L4D2, a game which has a sound effect for almost every gameplay-relevant event, and I soundwhore like a motherfucker. I've gotta say, it's a lot more rewarding, because the information I need to react quickly and be effective is all there, but you have to actually pay attention and focus to read it. With the hacks it was never intense, since everything was made blatantly obvious.

Iɽ say that every time I hacked, it was because Iɽ gotten the impression that the goal of games was to win. Since those days, I've realized the the real goal is to enjoy the experience of the game, so I've lost my only real reason to hack.


The realities of smurfing

Pro gamers can certainly do whatever they want, and everyone should be able to play with their friends—regardless of rank. Unfortunately, creating alt accounts to compete with low-ranking players can have actual consequences.

1) How new players get hurt

There aren’t many arguments that support smurfing. Some players claim competing against pros is a learning experience. Others point out that experienced gamers deserve a relaxing break every now and then to play with ordinary people.

On the other hand, there are endless reasons not to smurf. First and foremost, getting repeatedly crushed is incredibly disheartening for novices when they’re just starting out. Furthermore, defeats have tangible impacts on fledgling players. Losses prevent them from moving up the ranks, and beginner skill ranks really can’t afford to take a hit. Smurfing can even discourage fresh faces from wanting to play altogether, which is the opposite of what gaming is all about.

Ultimately, this kind of gameplay is only enjoyable for smurfs. Nothing sucks the fun out of a game more it being literally unplayable. So why does smurfing still exist?

2) How developers handle the problem

Unfortunately, creating a secondary account just to play at a lower rank isn’t technically cheating. As such, there isn’t much video game developers can do about the practice. Moreover, more accounts equate to more money for gaming companies, so there’s no real incentive to shut the practice down.

Much to gamers’ outrage, director of Blizzard Entertainment’s Overwatch Jeff Kaplan went as far as to say that smurfing “isn’t really that big of an issue.” Kaplan pointed out that skilled gamers move up the ranks quickly anyway. This fails to account for the pros that cleverly manage to manipulate their rank into remaining low.

League of Legends developer Riot Games didn’t dismiss smurfing like Blizzard did, but they never banned it, either. On the flip side, Psyonix—now owned by Epic games—classified it as cheating in 2016 and lets players report instances of smurfing in-game.


Chapter 3: Video Games Are Key Elements in Friendships for Many Boys

Video games 8 and gameplay are pervasive in the lives of most American teens – and for boys in particular, video games serve as a major venue for the creation and maintenance of friendships. Fully 72% of all teens play video games on a computer, game console or portable device like a cellphone, and 81% of teens have or have access to a game console.

Over the past two decades, video game and internet technology have shifted, eliminating the need to be in the same room as a requirement for playing games with friends and others. Innovations in game design and platforms have increased the opportunities to interact and socialize while playing. These changes have enabled teen gamers to play games both with others in person (83%) and online (75%). Teen gamers also play games with different types of people – they play with friends they know in person (89%), friends they know only online (54%), and online with others who are not friends (52%). These capabilities have enhanced teens’ opportunities to interact and spend time with friends and others in meaningful ways while gaming.
Boys are substantially more likely than girls to report access to a game console (91%, compared with 70% of girls) and to play games (84% of boys, compared with 59% of girls), a pattern we have seen previously in game device ownership and play.

As was noted in Chapter 1 of this report, games play an important role in the creation of teens’ friendships — and this is especially true for boys:

  • More than half of teens have made new friends online, and a third of them (36%) say they met their new friend or friends while playing video games. Among boys who have made friends online, 57% have done so by playing video games online (compared with just 13% of girls who have done so).
  • Nearly a quarter (23%) of teens report that they would give a new friend their gaming handle as contact information. Fully 38% of teen boys would share a gaming handle, compared with 7% of teen girls.

In the analysis that follows, we investigate more deeply the role of video games in teen friendships, with a particular focus on the way in which gaming spaces impact and contribute to friendships among boys.

16% of boys play games with others in person on a daily or near-daily basis 34% play games with others online almost every day

Video games are not simply entertaining media they also serve as a potent opportunity for socializing for teens with new friends and old. Fully 83% of American teens who play games say they play video games with others in the same room, with 91% of boys and 72% of girls doing so. And boys do this more frequently. Drilling down, 16% of boys play games this way every day or almost every day, compared with just 5% of girls. A third (35%) of boys say they play together with others on a weekly basis, compared with 15% of girls who report in-person group play this often. Indeed, more than a quarter (27%) of girls who play video games say they never play with other people who are in the same room, while just 8% of boys say this.

Younger boys who game are especially likely to play together in same room as others – more likely than any groups of girls who game. Among teen gamers, 94% of 13- to 14-year-old boys do this, compared with 84% of girls the same age and 64% of girls ages 15 to 17.

91% of video-gaming boys play with others who they are connected with over a network one-third of boys say they play this way every day or almost every day

Advances in networks, as well as console and computer capabilities, mean there are more ways to play with others than there have been in the past. Often, these modes of group play are more accessible than in-person group play.

Three-quarters of teens who play games play them with others with whom they are connected over the internet. Nine-in-ten boys (91%) who play games play with others online – identical to the percentage of boys who play games together in person. Just over half of girls who play games (52%) say they play together with others over the internet, fewer than those who report playing with others in person.

Not only are boys more likely than girls to play games with others over a network, they do so with much greater frequency. While a third (34%) of boys play video games with others over a network daily or almost every day, only 8% of girls do. Another third of boys (33%) play with others over a network weekly, while 10% of girls report playing this way. Girls who play games, on the other hand, are most likely to report that they play networked games with others less often than monthly (27%) or that they never play in such a manner (47%).

Teens mostly play networked games with friends more than half of boys also play with online only friends and strangers

Many teens play games with pals as a part of in-person friendships. But teens also play with people they know only online. Among boys and girls who play games with others over a network, 90% of networked-gaming boys and 85% of girls are playing these games with friends they know in person (for a total of 89% of all teens). But when it comes to friends known only online or individuals who aren’t friends, but are game partners, boys who play online games are substantially more likely to say they play with or against these types of people. While 40% of girls who play with others online play with friends they know only online, 59% of boys say they play with online-only friends, and that number rises to 62% of boys ages 15 to 17.

Teens who play games in a networked environment also play with and against other people they do not consider to be friends. Just over half of teens who play with others online say they play with people they don’t consider friends. Similar to the percentage with online-only gameplay friends, 57% of boys and 40% of girls say they play games with people they do not consider their friends. And again, the oldest boys (ages 15 to 17) are more likely (60%) than girls of any age to report playing with or against others who are not friends.

In our focus groups, the responses to questions about who teens play with ran the gamut. One high schooler told us, “I play with everyone,” while another explained, “I play with friends and then I meet new people through those friends.” A third high school boy told us, “I usually play on the internet … [with] people I don’t really know.”

Some teens noted they particularly enjoy playing with people who are não their friends. Some teens told us that they relish the competitive aspect of playing with unknown quantities. “It’s more competition like that,” said one high school boy. Another added, “It’s more fun like that, too. … Because, like, you don’t know what they’re capable of and you don’t know if they can do it. … When you’re playing with people you don’t know, it’s like you’re trying, like, to play harder and see what they’re about.”

Other teens told us they liked playing games because they could be a different person. A high school boy explained how “you use an alter ego” when playing. And still others benefit from the opportunity to take out their frustrations on people they would never interact with again. As a high school boy told us, “If you, like, have a bad game, instead of throwing your controller, you can just take it out on them.”

59% of teens who play online with others use a voice connection when they play

Networked online gameplay becomes a vehicle for friendship, interaction and trash talk when the players connect with each other by voice as well as through the mechanics of the game. Nearly six-in-ten teens who play games online with others use a voice connection – through the console, the game or a separate platform (e.g. Skype). Use of a voice connection is heavily skewed towards boys – 71% of boys who play networked games use a voice connection so they can talk with other players as they play, compared with 28% of girls who play games online with others. Older boys drive this finding, with 75% of boys 15 to 17 who play networked games with others using a voice connection when they play online.

These voice connections enable all types of communication through the game – conversations about mundane things, strategizing in-game play and trash talking.

One middle school boy in our focus groups explained that he and a gaming friend talked about a mix of things pertaining to the game and their lives: “Like, we were talking about the game and then I’d be like, so, what do you like to do? And we would just share thoughts. Stuff.” Other teens told us that this type of interaction was “very rare.” And that usually it’s, “No hi’s. No bye’s. No hellos.”

Focus group data suggests that trash talking is pervasive in online gaming and that it can create a challenging conversational climate. As one high school boy told us, “If you’ve ever been on any form of group chat for a game, yeah. It’s harsh. … It’s funny, though. Unless you take it seriously. Cause some people take certain things personally.”

For some teens, trash talking is an integral and even enjoyable part of playing networked games. A high school boy related his experiences: “You find a lot of people from overseas playing the games. They’re really good, but they do a lot of trash talking. You’re like I’m getting trash talked in Korean, but that’s what’s happening.” One teen told of trying to use online translators to figure out what his opponents were saying only to “find out he’s sending [me] a death threat.”

Other teens told us that they only trash talk with people they know: “Oh, with my friends? Sim. I trash talk,” said a middle school boy. “Overall, with people I don’t know, I don’t.” Teens told us this was because their friends knew they were “just kidding.”

Some teens do not use the voice connection to trash talk, but instead to plan game play. In one of our focus groups, an interviewer asked “And are you talking about other stuff, or are you mostly trash-talking about the game?” And a high school boy responded. “Not trash-talking strategizing.”

A high school girl described how she used Skype to strategize and socialize with friends while gaming: “Skype. … I use Skype with my friends pretty often … because we play a lot of games together, so … I Skype them, and then we get into the same game together. That way we can hear each other and tell each other, like, where we are.”

And some younger teens were put off by the language and name-calling of trash talking. As one middle school boy explained, “For ‘Call of Duty,’ there’s like no filter. So you have those 20-year-old rage people that every time you make mistakes they’re like screaming and swearing at you and it’s really annoying. You have to leave.”

Another middle school boy talked about being pushed off the game by trash talking: “It was yesterday. I was playing with my friend. ‘Battlefield.’ I was trying to talk to my friend and this kid’s like, ‘Shut up. You’re annoying’ or something. And then I just like left the game and invited him [my friend]. And the guy that was trash talking joined me. I don’t know how. He started trash talking, so I just got off everything.”

Older teen boys talked about how younger teens, in this case siblings, needed to learn how to handle trash talk in games. “No, they have to do the same thing,” said a high school boy. “It’s for the game.”

Talking with friends while playing a video game is a major way boys talk with friends

Whether on headsets or in person, teens who play networked games talk with their friends while they play. Nearly three-quarters of teens who play online video games say they’ve talked with friends while they played together. Nearly nine-in-ten online video-gaming boys (88%) say they talk with their friends while playing, while about half (52%) of online gaming girls do.

Boys talk with friends while playing games more frequently than girls as well, with 26% of teen boys who play games reporting that they talk with friends every day while they play, and another 32% of gaming boys talking with friends over games every few days. Girls, by contrast, report substantially lower frequencies, with 5% of girls who play networked games talking with friends every day while they play and 9% talking while playing every few days.

And as noted previously, when comparing talking by video gaming to other modes of communication and interaction with friends, gaming ranks substantially higher for boys as a mode of daily communication than it does for girls, for whom it ranks at the very bottom.

For the bulk of teens who play games online with others, playing makes them feel connected to friends

Playing games can have the effect of reinforcing a sense of friendship and connectedness for teens who play online with friends. Nearly eight-in-ten online-gaming teens (78%) say they feel more connected to existing friends they play games with. For teen boys, this is especially true – 84% of boys who play networked games say they feel more connected to friends when they play, compared with 62% of girls. The depth of teens’ sense of connectedness to friends when playing online with others is evenly divided for both genders, with about 38% of teens saying “yes, a lot” in response to the connectedness question and another 40% replying “yes, a little.”

Networked gameplay is less effective at connecting online-gaming teens with those who are not yet their friends. Just about half (52%) of teens say playing networked games helps them feel connected to the people they aren’t otherwise connected to. Once again, boys are more likely to report ever feeling this way than girls, with 56% saying they feel more connected to other players, and 43% of girls reporting such feelings. Further, most teens who say they feel connected to the people they play with or against say these feelings are relatively minor, with most teens saying they feel connected “a little” to the people (who are not their friends) they play games with online.

Online gameplay also has the ability to provoke anger and frustration as well as relaxation and happiness in the teens who play. A larger percentage of teens say playing games allows them to feel more relaxed and happy than the percentage who report anger and frustration. Fully 82% of teens say they feel relaxed and happy when they play, with 86% of boys and 72% of girls reporting these experiences. Girls who play these games are less likely to say they feel relaxed and happy when they play, with 28% reporting they don’t feel that way, compared with 14% of boys.

The flip side is that playing games also can provoke feelings of anger or frustration in those who play games with others online. While fewer teens report feelings of anger or frustration than more positive emotions, when they play online with other people, 30% say they feel more angry or frustrated, with one third of boys and 20% of girls reporting these feelings.

A middle school boy in one of our focus groups describes getting angry while playing video games. “Like say I’m playing ‘Call of Duty’ with my friends and we’re on the same team. Sometimes if I mess up or he messes up, we’ll get mad at each other and then we’ll delete each other as a friend. And then, like, we’ll get all mad at each other the next day and we won’t talk to each other. Then when we get home, we’ll make up. So, I mean, it’s kind of just like getting mad at each other for dumb reasons over the internet.”

The same teen later described the difference between frustration over poor play in an in-person game (like basketball) and a video game: “It’s kind of difficult because I feel like sometimes in basketball, I wouldn’t get as mad because they tried making a shot or they tried doing something. Maybe they were off by a little bit. [With video games] we’re playing the game or we’re trying to do something to beat it and they’re just messing around and it’s like, well, you spent money on this game to beat it and your friend is messing around and you can’t accomplish what you bought the game for. And it just gets you angry about that. But in basketball, you didn’t really have to pay for something. You’re just playing with your friends.”

Teens, Video Games and Friends: Other Demographic Differences

Teens’ gaming habits vary little by family income, education or race and ethnicity. Below we highlight the most notable differences between groups in how their use of video games intersects with their friendships.

Higher-income teens are more likely to play networked game with friends they know in person

Higher-income teens are more likely than low-income ones to play networked games with friends they know in person 94% of teens whose families earn more than $50,ooo annually play networked games with in-person friends, 78% of teens from families earning less say they play online with in-person friends. Teens from all income groups are equally likely to say they play with friends they know only online or people they play with online, but don’t consider friends.

Gaming teens from middle- and upper-income households earning more than $50,000 a year are also more likely to have a voice connection to other players – which allows them to strategize and talk to one another – when they play games online. Fully 63% of teens from households earning more than $50,000 have a voice connection, while just half (51%) of teens from households earning less do.

Teens from the lowest-income homes are the most likely to say they feel connected to people they are not friends with when they play online games with others. Nearly two thirds (64%) of teens from families earning less than $30,000 annually say they feel connected to others who aren’t friends when they play games online, compared with just half of teens from families earning more than $30,000 per year.

Teens from families earning less than $50,000 annually are more likely to say they feel relaxed and happy when they play games online with others with nine-in-ten (90%) teen online gamers from lower-income households saying they feel that way, compared with 78% of networked teen gamers from wealthier households.

Urban and suburban teens more likely to play networked games with others

Rural teens are less likely to play with others online, but, if they do, they are more likely to play with people they know only online. Fully 78% of urban teens and 77% of suburban teens who play games do so in a networked environment with others, while 59% of rural gamers report such gameplay.

Suburban kids who play networked games are more likely than rural kids to play games online with friends they know in person 92% of suburban kids play with friends they know in person, compared with 77% of online-gaming rural teens. Conversely, rural teens who play networked games are more likely than suburban teens to play with friends that they only know online. A full 70% of rural teens play games online with friends they know only online, while just half (51%) of suburban teens play online with online-only friends. Networked gamer teens from all types of communities are equally likely to play online games with people they don’t know and don’t consider friends.

Teens of different racial and ethnic groups sometimes have different experiences and reactions when they are gaming

There are few differences between black, Hispanic and white teens when it comes to friends and video gameplay. While black teens (83%) are more likely to play video games than white teens (71%) or Hispanic teens (69%), white teens are more likely than black teens (62% vs. 40%) to have a voice connection when they play networked games with other people – which allows players to strategize and talk while playing.

White and Hispanic teens are more likely than black teens to report feeling more angry and frustrated when they played networked games with others. Nearly a third of white teens (32%) and 29% of Hispanic teens report ever feeling more angry and frustrated (although most of these teens say this is something that happens only “a little”) when they play online with others, while just 11% of black teens report these types of emotions while playing networked games.


Assista o vídeo: MEU VIDEOGAME #01 (Dezembro 2021).