Em formação

Traço de personalidade em que o estilo da pessoa é evidente independentemente da situação?

Traço de personalidade em que o estilo da pessoa é evidente independentemente da situação?

Qual é o termo para o traço de personalidade no qual o estilo de uma pessoa é evidente em tudo o que ela faz? Os padrões de comportamento específicos da pessoa expressam as atitudes e características internas da pessoa, independentemente da situação. Uma pessoa com essa característica se coloca um pouco (ou muito) de si mesma em tudo o que faz. Em contraste, outras pessoas podem se misturar mais e adaptar seu comportamento mais fortemente ao que é esperado pelos outros.

Uma vez li sobre esse termo em um artigo online sobre modelo de personalidade e nunca mais o vi.


Você pode estar se referindo a pessoas que não têm Auto-monitoramento.

A Wikipedia tem um bom resumo:

O automonitoramento é definido como um traço de personalidade que se refere a uma capacidade de regular o comportamento para acomodar situações sociais. Pessoas que se monitoram de perto são categorizadas como auto-monitores altos e muitas vezes se comportam de uma maneira que é altamente responsiva a pistas sociais e seu contexto situacional. Auto-monitores de alto nível podem ser considerados pragmáticos sociais que projetam imagens na tentativa de impressionar os outros e receber feedback positivo. Por outro lado, monitores baixos não participam, no mesmo grau, de controle expressivo e não compartilham preocupação semelhante com a adequação situacional. Auto-monitores baixos tendem a exibir controles expressivos congruentes com seus próprios estados internos; ou seja, crenças, atitudes e disposições, independentemente das circunstâncias sociais. Auto-monitores baixos costumam ser menos observadores do contexto social e consideram a expressão de uma auto-apresentação diferente de seus estados internos como uma falsidade e indesejável. As pessoas que não desejam monitorar e ajustar seu comportamento de acordo com elas costumam ser agressivas, intransigentes e insistentes com os outros. Isso pode torná-los mais propensos à condenação, rejeição e aos possíveis sentimentos consequentes de raiva, ansiedade, culpa, baixo autoconceito, isolamento e depressão. Mesmo a indiscrição ocasional pode tornar as situações sociais muito difíceis e pode resultar na perda de um amigo, colega de trabalho, cliente ou até mesmo do emprego. Aqueles que estão dispostos a ajustar seu comportamento, muitas vezes descobrirão que os outros são mais receptivos, agradáveis ​​e benevolentes com eles.

O automonitoramento é geralmente medido com a Escala de Auto-monitoramento de Snyder (1974) ou suas variantes.

A escala mede a concordância com itens como:

Acho difícil imitar o comportamento de outras pessoas.

Meu comportamento geralmente é uma expressão de meus verdadeiros sentimentos, atitudes e crenças interiores.

Em festas e reuniões sociais, não tento fazer ou dizer coisas que os outros vão gostar.

Só posso defender ideias nas quais já acredito.

Referências

Snyder, M. (1974). Auto-monitoramento do comportamento expressivo. Jornal de personalidade e psicologia social, 30 (4), 526.


Características de Personalidade

O termo personalidade é usado em vários sentidos.

Geralmente, é usado para indicar a perspectiva externa de um indivíduo. Em filosofia, significa qualidade interna.

Mas em psicologia social, o termo personalidade indica - nem o padrão externo ou externo, nem indica a qualidade interna. Isso significa um todo integrado. No mundo moderno e na psicologia, passou a indicar a soma total das características e qualidades de um indivíduo.

Vários pensadores, psicólogos sociais e outros definiram a personalidade de várias maneiras. É uma soma de qualidades físicas, mentais e sociais de forma integrada.

Assim, a personalidade é a soma das idéias, atitudes e valores de uma pessoa que determinam seu papel na sociedade e fazem parte integrante de seu caráter. A personalidade é adquirida pelo indivíduo como resultado de sua participação na vida do grupo. Refere-se a algo muito mais essencial e duradouro em uma pessoa.

Além desse ponto básico de concordância, a personalidade tem outras características ou características em comum.

  • Personalidade é algo único em cada indivíduo.
  • Personalidade se refere particularmente às qualidades persistentes de um indivíduo.
  • A personalidade representa uma orientação dinâmica de um organismo para o meio ambiente.
  • A personalidade é muito influenciada pelas interações sociais.
  • A personalidade representa uma organização única de predisposição social e dinâmica persistente.
  • Consistência.
  • Psicológico e fisiológico.
  • Impacta comportamentos e ações.
  • Expressões múltiplas.

Personalidade é algo único em cada indivíduo

Personalidade se refere a qualidades internas e externas, algumas das quais são bastante gerais. Mas é único para cada indivíduo. Não é possível para uma pessoa reproduzir ou imitar as qualidades da personalidade de outra pessoa.

Personalidade se refere especialmente às qualidades persistentes de um indivíduo

Cada indivíduo possui um certo sentimento, bem como outros traços e qualidades permanentes.

A personalidade é composta principalmente pelas qualidades persistentes ou permanentes que se manifestam na forma de comportamento social e tentam se ajustar ao meio ambiente.

Personalidade representa uma orientação dinâmica de um organismo para o meio ambiente

Personalidade representa o processo de aprendizagem. Acontece em referência ao meio ambiente. Não adquirimos todos os traços de personalidade de uma só vez.

A personalidade é muito influenciada pelas interações sociais

Personalidade não é uma qualidade individual. É o resultado da interação social.

Em outras palavras, significa que quando entramos em contato com outros membros da sociedade, adquirimos certas qualidades enquanto exibimos outras. Tudo isso vem para formar personalidade.

Personalidade representa uma organização única de predisposição social e dinâmica persistente

Na personalidade, várias qualidades não são colocadas juntas.

Eles são, de fato, integrados em um. Essa integração nada mais é do que o resultado de uma organização que pode ser diferente de homem para homem. O comportamento de uma pessoa dirigido a um determinado indivíduo pode ser diferente do comportamento de outra pessoa.

É por isso que colocamos a condição de um ambiente adequado. Essa adequação diz respeito à especificidade individual.

Consistência

Geralmente, há uma ordem e regularidade reconhecíveis nos comportamentos. Essencialmente, as pessoas agem da mesma maneira ou de maneiras semelhantes em uma variedade de situações.

Psicológico e fisiológico

Personalidade é uma construção psicológica, mas a pesquisa sugere que ela também é influenciada por processos e necessidades biológicas.

Impacta comportamentos e ações

A personalidade não influencia apenas como nos movemos e respondemos em nosso ambiente, mas também nos faz agir de certas maneiras.

Expressões múltiplas

A personalidade é exibida em mais do que apenas comportamento. Também pode ser visto em nossos pensamentos, sentimentos, relacionamentos íntimos e outras interações sociais.

Na verdade, a personalidade é a combinação única de padrões que influenciam o comportamento, pensamento, motivação e emoção de um ser humano. Existem muitas abordagens para o estudo psicológico moderno da personalidade, incluindo as perspectivas psicodinâmica, de aprendizagem, humanística, biológica, de traços e cultural.

Pode ser descrito como a forma como uma pessoa afeta os outros, como ela se entende e se vê, e seu padrão de traços mensuráveis ​​internos e externos. Abrange os sentimentos, pensamentos e padrões de comportamento relativamente estáveis ​​que uma pessoa tem.

Na verdade, nossa personalidade muda ao longo de longos períodos de tempo.


Perspectiva Psicanalítica

A perspectiva psicanalítica da personalidade enfatiza a importância das experiências da primeira infância e da mente inconsciente. Essa perspectiva sobre a personalidade foi criada pelo psiquiatra Sigmund Freud, que acreditava que as coisas ocultas no inconsciente podiam ser reveladas de várias maneiras diferentes, inclusive por meio de sonhos, associação livre e lapsos de língua.

Teóricos neo-freudianos, incluindo Erik Erikson, Carl Jung, Alfred Adler e Karen Horney, acreditavam na importância do inconsciente, mas discordavam de outros aspectos das teorias de Freud.

Teóricos Maiores

Abaixo estão os teóricos da perspectiva psicanalítica mais proeminentes:

  • Sigmund Freud: Salientou a importância dos eventos da primeira infância, a influência do inconsciente e dos instintos sexuais no desenvolvimento e formação da personalidade.
  • Erik Erikson: Enfatizou os elementos sociais do desenvolvimento da personalidade, a crise de identidade e como a personalidade é moldada ao longo de toda a vida.
  • Carl Jung: Focado em conceitos como inconsciente coletivo, arquétipos e tipos psicológicos.
  • Alfred Adler: Acredita-se que o motivo central por trás da personalidade envolve a busca pela superioridade ou o desejo de superar desafios e chegar mais perto da autorrealização. Esse desejo de alcançar superioridade origina-se de sentimentos subjacentes de inferioridade que Adler acreditava serem universais.
  • Karen Horney: Focado na necessidade de superar a ansiedade básica, a sensação de estar isolado e sozinho no mundo. Ela enfatizou os fatores sociais e culturais que também desempenham um papel na personalidade, incluindo a importância do relacionamento entre pais e filhos.

Os 5 principais traços de personalidade (com exemplos)

Os 5 Traços de personalidade Principais são extroversão / introversão, responsabilidade, abertura à experiência, gentileza e neuroticismo. Há também outro modelo desenvolvido por Marvin Zuckerman denominado modelo das "cinco alternativas", formado por neuroticismo-ansiedade (N-Anx), agressão-hostilidade (Agg-Host), sociabilidade (Sy) e atividade (Act). Este último é o que explicaremos neste artigo.

Personalidade é o conceito que se refere à maneira de ser, agir e ver o mundo que temos das pessoas.

Este conceito é seguramente o construto que desperta maior interesse no campo dos estudos da psicologia, uma vez que a personalidade permite prever a forma como as pessoas pensam, reagem e agem.

Os autores que estudaram os traços de personalidade são múltiplos, e as descobertas e as informações que se possui hoje sobre os "tipos" de personalidade são muito abundantes.

Neste artigo iremos explicar os 5 principais traços de personalidade e suas características, que foram detalhados por vários autores e fornecem muitas informações sobre como as pessoas são.


Cinco Grandes Traços de Personalidade

Colaboradores: Corinna E. Löckenhoff e Paul T. Costa Jr.
Editores: Roy F. Baumeister e Kathleen D. Vohs
Título do livro: Enciclopédia de Psicologia Social
Título do capítulo: "Cinco grandes traços de personalidade"
Bar. Data: 2007
Data de acesso: 16 de março de 2015
Editora: SAGE Publications, Inc.
Cidade: Thousand Oaks
Impressão ISBN: 9781412916707
ISBN online: 9781412956253
DOI: http://dx.doi.org/10.4135/9781412956253.n67
Imprimir páginas: 116-118
© 2007 SAGE Publications, Inc. Todos os direitos reservados.

Este PDF foi gerado a partir do conhecimento SAGE. Observe que a paginação da versão online será diferente da paginação do livro impresso.

Queensland University of Techn
© 2007 SAGE Publications, Inc. Todos os direitos reservados.

Definição
Os Cinco Grandes traços de personalidade são as dimensões mais básicas que moldam a estrutura da personalidade humana e fundamentam as regularidades no pensamento, sentimento e comportamento das pessoas. Os Cinco Grandes são dimensionais, o que significa que cada um deles descreve um continuum entre dois pólos extremos. Todas as pessoas, independentemente de sexo, idade ou cultura, compartilham os mesmos traços básicos de personalidade, mas as pessoas diferem em sua posição relativa em cada um dos traços. Os Cinco Grandes individuais são Neuroticismo (vs. Estabilidade Emocional), Extroversão (ou Surgência), Abertura à Experiência (também chamada de Cultura ou Intelecto), Amabilidade (vs. Antagonismo) e Consciência. Para ajudar na memória, observe que as primeiras letras podem ser reorganizadas para soletrar OCEANO, um termo que sugere o vasto escopo desse modelo em incluir traços de personalidade.

As Cinco Grandes Dimensões
A personalidade é estruturada hierarquicamente no nível mais amplo ou de domínio são os Cinco Grandes, e abaixo deles, em um nível inferior de generalidade, estão os traços ou facetas mais estreitos. Assim, cada uma das Cinco Grandes dimensões é uma combinação de vários traços ou características distintas, mas intimamente relacionadas. Por exemplo, a maioria das pessoas que gostam de cooperar com outras também são mais honestas e compassivas. Embora haja exceções individuais a essa regra, as associações entre essas características na população em geral são fortes o suficiente para justificar combiná-las na categoria mais ampla de Amabilidade. Quando facetas específicas são formalmente incluídas em um modelo dos Cinco Grandes, o termo modelo de cinco fatores é comumente usado para descrever a hierarquia.

Pessoas com pontuação alta em Neuroticismo são emocionalmente sensíveis, elas se aborrecem facilmente e freqüentemente experimentam emoções negativas. As facetas individuais incluem tristeza, raiva, ansiedade / preocupação, autoconsciência, vulnerabilidade ao estresse e tendência a agir impulsivamente. Pessoas com pontuação baixa em Neuroticismo são emocionalmente estáveis ​​e calmas. Mesmo sob condições estressantes, eles permanecem confiantes e experimentam poucas emoções negativas.

Enciclopédia de psicologia social: cinco grandes
Traços de Personalidade

Queensland University of Techn
© 2007 SAGE Publications, Inc. Todos os direitos reservados.

Pessoas altamente extrovertidas são calorosas, falantes e geralmente gostam de estar perto de outras pessoas. Eles são assertivos, ativos e cheios de energia, alegres e cheios de emoções positivas e preferem ambientes estimulantes. Já as pessoas introvertidas gostam de ficar sozinhas ou com alguns amigos íntimos. Eles raramente querem liderar outros. São reservados e sérios, valorizam a sua independência e preferem ambientes silenciosos. Pessoas com pontuação alta em Abertura à Experiência são curiosas, imaginativas, têm interesses amplos e abraçam facilmente ideias e valores não convencionais. Outras facetas incluem sensibilidade a experiências estéticas e fantasia, bem como uma rica vida emocional. Pessoas com baixa abertura têm um conjunto mais restrito de interesses e são mais convencionais em sua perspectiva e comportamento. Eles estão fechados a novas idéias, ações e sistemas de valores ou crenças. Eles também experimentam menos suas emoções.


Referências

Allport, G. W. (1937). Personalidade: uma interpretação psicológica. New York, NY: Holt, Rinehart & amp Winston.

Allport, G. W. & amp Odbert, H. (1936). Nomes de traços: um estudo psico-lexical. No. 211. Princeton, NJ: Psychological Review Monographs.

Ayman, R., Chemers, M. M., & amp Fiedler, F. (1995). O modelo de contingência da eficácia da liderança: o seu nível de análise. The Leadership Quarterly, 6(2), 147–167.

Bandura, A. (1986). Fundamentos sociais de pensamento e ação: uma teoria social cognitiva. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Bass, B. M. (1999). Desenvolvimentos atuais em liderança transformacional: Pesquisa e aplicações. Jornal do psicólogo-gerente, 3(1), 5–21.

Bem, D. J., & amp Allen, A. (1974). Sobre a previsão de algumas pessoas em algum momento: A busca por consistências de comportamento em situações cruzadas. Revisão Psicológica, 81(6), 506–520.

Cattell, R. B. (1990). Avanços na teoria da personalidade cattelliana. Em L. A. Pervin (Ed.), Manual de personalidade: teoria e pesquisa (pp. 101-110). New York, NY: Guilford Press.

Cheung, F. M., & amp Leung, K. (1998). Medidas de personalidade indígena: exemplos chineses. Journal of Cross-Cultural Psychology, 29(1), 233–248.

Costa, P. T., Jr. & amp McCrae, R. R. (1992). Manual do Inventário de Personalidade NEO revisado (NEO-PI-R) e do Inventário de cinco fatores NEO (NEO-FFI). Odessa, FL: Recursos de avaliação psicológica.

Eysenck, H. (1998). Dimensões da personalidade. Piscataway, NJ: Transaction.

Fiske, S. T., & amp Taylor, S. E. (2007). Cognição social, do cérebro à cultura. New York, NY: McGraw-Hill.

Garb, H. N. (1998). Computadores e julgamento. Em H. N. Garb (Ed.), Estudando o clínico: pesquisa de julgamento e avaliação psicológica (pp. 207–229). Washington, DC: American Psychological Association.

Goldberg, L. R. (1982). Do ás ao zumbi: algumas explorações na linguagem da personalidade. Em C. D. Spielberger e J. N. Butcher (Eds.), Avanços na avaliação da personalidade (Vol. 1). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Gosling, S. D. (2001). De ratos a homens: o que podemos aprender sobre a personalidade com as pesquisas com animais? Boletim Psicológico, 127(1), 45–86.

Graham, J. R. (2006). MMPI-2: avaliando personalidade e psicopatologia (4ª ed.). New York, NY: Oxford University Press.

Hartshorne, H., May, M. A., Maller, J. B., Shuttleworth, F. K. (1928). Estudos sobre a natureza do caráter. New York, NY: Macmillan.

Hines, T. (2003). Pseudociência e o paranormal (2ª ed.). Amherst, NY: Prometheus Books.

Hunsley, J., Lee, C. M., & amp Wood, J. M. (2003). Técnicas de avaliação controversas e questionáveis. Em S. O. Lilienfeld, S. J. Lynn e J. M. Lohr (Eds.), Ciência e pseudociência em psicologia clínica (pp. 39-76). New York, NY: Guilford Press.

John, O. P., Angleitner, A., & amp Ostendorf, F. (1988). A abordagem lexical da personalidade: uma revisão histórica da pesquisa taxonômica de traços. European Journal of Personality, 2(3), 171–203.

Karon, B. P. (2000). A interpretação clínica do Teste de Apercepção Temática, Rorschach e outros dados clínicos: Um reexame da previsão estatística versus clínica. Psicologia Profissional: Pesquisa e Prática, 31(2), 230–233.

Kenny, D. A., & amp Zaccaro, S. J. (1983). Uma estimativa da variação devido a características de liderança. Journal of Applied Psychology, 68(4), 678–685.

Machover, K. (1949). Projeção da personalidade no desenho da figura humana (um método de investigação da personalidade). Em K. Machover (Ed.), Projeção da personalidade no desenho da figura humana: um método de investigação da personalidade (pp. 3-32). Springfield, IL: Charles C. Thomas.

Mischel, W. (1968). Personalidade e avaliação. New York, NY: John Wiley & amp Sons.

Mischel, W. & amp Shoda, Y. (2008). Rumo a uma teoria unificada da personalidade: Integrando disposições e dinâmicas de processamento dentro do sistema de processamento cognitivo-afetivo. Em O. P. John, R. W. Robins e L. A. Pervin (Eds.), Manual de psicologia da personalidade: teoria e pesquisa (3ª ed., Pp. 208–241). New York, NY: Guilford Press.

Nisbett, R. E., Caputo, C., Legant, P., & amp Marecek, J. (1973). Comportamento visto pelo ator e visto pelo observador. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 27(2), 154–164.

Oldham, J. (2010). Transtorno de personalidade limítrofe e DSM-5. Journal of Psychiatric Practice, 16(3), 143–154.

Olivola, C. Y., & amp Todorov, A. (2010). Enganado pelas primeiras impressões? Reexaminar o valor diagnóstico das inferências baseadas na aparência. Journal of Experimental Social Psychology, 46(2), 315–324.

Pieterse, A. N., Van Knippenberg, D., Schippers, M., & amp Stam, D. (2010). Liderança transformacional e transacional e comportamento inovador: o papel moderador do empoderamento psicológico. Journal of Organizational Behavior, 31(4), 609–623.

Roberts, B. W. & amp DelVecchio, W. F. (2000). A consistência da ordem de classificação dos traços de personalidade da infância à velhice: uma revisão quantitativa de estudos longitudinais. Boletim Psicológico, 126(1), 3–25.

Rubenzer, S. J., Faschingbauer, T. R., & amp Ones, D. S. (2000). Avaliação dos presidentes dos EUA usando o inventário de personalidade NEO revisado. Avaliação, 7(4), 403–420.

Rule, N. O., Ambady, N., Adams, R. B., Jr., & amp Macrae, C. N. (2008). Precisão e consciência na percepção e categorização da orientação sexual masculina. Journal of Personality and Social Psychology, 95(5), 1019–1028.

Rule, N. O., & amp Ambady, N. (2010). Democratas e republicanos podem ser diferenciados por seus rostos. PLoS ONE, 5(1), e8733.

Rule, N. O., Ambady, N., & amp Hallett, K. C. (2009). A orientação sexual feminina é percebida com precisão, rapidez e automaticamente a partir do rosto e de seus traços. Journal of Experimental Social Psychology, 45(6), 1245–1251.

Saulsman, L. M., & amp Page, A. C. (2004). O modelo de cinco fatores e a literatura empírica do transtorno de personalidade: Uma revisão meta-analítica. Revisão de Psicologia Clínica, 23, 1055–1085.

Sheldon, W. (1940). As variedades do físico humano: uma introdução à psicologia constitucional. New York, NY: Harper.

Simonton, D. K. (1994). Grandeza: Quem faz história e por quê. New York, NY: Guilford Press.

Simonton, D. K. (1995). Personalidade e preditores intelectuais de liderança. Em D. H. Saklofske & amp M. Zeidner (Eds.), Manual internacional de personalidade e inteligência. Perspectivas sobre diferenças individuais (pp. 739–757). New York, NY: Plenum.

Simonton, D. K. (1988). Estilo presidencial: Personalidade, biografia e atuação. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 55, 928–936.

Simpson, D. (2005). Frenologia e as neurociências: Contribuições de F. J. Gall e J. G. Spurzheim. ANZ Journal of Surgery, 75(6), 475–482.

Srivastava, S., John, O. P., Gosling, S. D., & amp Potter, J. (2003). Desenvolvimento da personalidade no início e no meio da idade adulta: definida como gesso ou mudança persistente? Journal of Personality and Social Psychology, 84(5), 1041–1053.

Sternberg, R. & amp Lubart, T. (1995). Desafiando a multidão: cultivando a criatividade em uma cultura de conformidade. New York, NY: Free Press.

Sternberg, R. J. (2002). Inteligência de sucesso: uma nova abordagem à liderança. Em R. E. Riggio, S. E. Murphy e F. J. Pirozzolo (Eds.), Múltiplas inteligências e liderança (pp. 9–28). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Tellegen, A., Ben-Porath, Y. S., McNulty, J. L., Arbisi, P. A., Graham, J. R., & amp Kaemmer, B. (2003). As escalas clínicas reestruturadas MMPI-2: desenvolvimento, validação e interpretação. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Tett, R. P., Jackson, D. N., & amp Rothstein, M. (1991). Medidas de personalidade como preditores de desempenho no trabalho: uma revisão meta-analítica. Psicologia de Pessoal, 44(4), 703–742.

Triandis, H. C., & amp Suh, E. M. (2002). Influências culturais na personalidade. Revisão Anual de Psicologia, 53(1), 133–160.

Wood, J. M., Nezworski, M. T., Lilienfeld, S. O., & amp Garb, H. N. (2003). O que há de errado com o Rorschach? A ciência confronta o controverso teste do borrão de tinta. São Francisco, CA: Jossey-Bass.

Zaccaro, S. J. (2007). Perspectivas de liderança baseadas em traços. Psicólogo americano, 62(1), 6–16.


Os 5 principais traços de personalidade (com exemplos)

Os 5 Traços de personalidade Principais são extroversão / introversão, responsabilidade, abertura à experiência, gentileza e neuroticismo. Há também outro modelo desenvolvido por Marvin Zuckerman denominado modelo das "cinco alternativas", formado por neuroticismo-ansiedade (N-Anx), agressão-hostilidade (Agg-Host), sociabilidade (Sy) e atividade (Act). Este último é o que explicaremos neste artigo.

Personalidade é o conceito que se refere ao jeito de ser, agir e ver o mundo que temos das pessoas.

Este conceito é seguramente o construto que desperta maior interesse no campo de estudos da psicologia, uma vez que a personalidade permite prever a forma como as pessoas pensam, reagem e agem.

Os autores que estudaram os traços de personalidade são múltiplos, e as descobertas e as informações que se possui hoje sobre os "tipos" de personalidade são abundantes.

Neste artigo iremos explicar os 5 principais traços de personalidade e suas características, que foram detalhados por vários autores e fornecem muitas informações sobre como as pessoas são.


Nossas personalidades nos influenciam, mas não podem condenar nosso destino

Uma das melhores ferramentas que temos para fazer mudanças em nossa personalidade é o autoconhecimento. Por estar ciente de nossas limitações e pontos fortes, é mais fácil gerenciar bons resultados em nossa vida pessoal e profissional. Assim, podemos trabalhar as habilidades com as quais temos dificuldades de forma mais exaustiva. Além disso, podemos impulsionar outros, o que nos dará uma vantagem.

Costumo encontrar pessoas que fazem comentários sobre como é difícil para eles se expressarem aos outros. Ou, para reivindicar seu lugar no trabalho, por exemplo, porque “Devido à sua personalidade, eles simplesmente não conseguem administrá-la”. Isso acontece com todos nós em algum momento de nossas vidas.

No entanto, o ponto de viragem vem quando você chega à conclusão de que “As pessoas nunca mudam”. Sim e não. Todos nós temos tendências naturais inatas quando se trata de como nos comportamos no dia a dia. Uma criança tímida ou extrovertida provavelmente se tornará um adulto tímido ou extrovertido. Isso é chamado temperamento. Dê uma olhada neste documentário interessante que explica muito sobre as correlações entre a genética e a personalidade de alguém.

Seu temperamento e caráter constituem a sua personalidade

No entanto, a cultura, as experiências e o ambiente irão modular nosso temperamento. Ele o fará construindo e reconstruindo o que chamamos de nosso caráter. Esses dois aspectos são o que constituem o nosso personalidade.

Portanto, a afirmação de que “As pessoas não mudam” é parcialmente verdadeiro. É verdade no sentido de que cada um de nós se sente mais confortável em um determinado tipo de ambiente e desconfortável em outros. Isso se deve à nossa personalidade. Porém, a capacidade de se adaptar de maneira ótima a cada uma dessas situações, sem deixar de ser “você mesmo”, pode ser modulada.


Os Quatro Tipos de Temperamento

Os psicólogos reconhecem quatro tipos principais de temperamento. Os nomes dos tipos eram originalmente nomes de humor em tempos mais distantes. Acreditava-se que o humor fazia com que as pessoas se comportassem de certas maneiras. Embora a ciência tenha refutado a existência do humor dessa maneira, os nomes dos quatro tipos de temperamento permaneceram.

É possível, de fato provável, que alguém tenha tipos de temperamento primário e secundário. Uma pessoa pode ter qualquer combinação dos tipos de temperamento para formar sua personalidade geral. Os quatro tipos principais de temperamento são explorados a seguir.

1. Sanguíneo

Sanguíneo é o tipo de temperamento mais comum. Normalmente é um tipo primário ou um tipo secundário, embora, é claro, nem todos sejam sanguíneos. Esse tipo de temperamento pode ser encontrado tanto nos homens quanto nas mulheres. Algumas pessoas são consideradas "super otimistas" por serem tão falantes e ativas que pode ser opressor estar perto delas.

Orientação Sanguínea

Aqueles com temperamento sanguíneo são extremamente orientados para as pessoas. Eles são extrovertidos e extrovertidos, extremamente faladores e sociáveis. Eles encorajam as pessoas a trabalharem juntas e fazerem coisas boas umas para as outras.

Características Sanguíneas

Pessoas com temperamento sanguíneo têm uma ampla gama de emoções e também uma ampla gama de comportamentos. Eles são os mais versáteis de todos os temperamentos. Dependendo de seu temperamento secundário, eles podem estar envolvidos em quase todas as atividades humanas. No entanto, eles gostam de ocasiões em que podem interagir ou mudar seu ambiente.

Pessoas de temperamento sanguíneo são brincalhonas e impulsivas. Eles estão constantemente ativos e sempre otimistas. Eles têm um bom senso de humor, são divertidos e facilmente divertidos. Eles também são expressivos e afetuosos. Eles constroem relacionamentos facilmente e confiam nos outros.

Traços Sanguíneos

Quando você conhece alguém com temperamento sanguíneo, é provável que sinta que o conhece há muito tempo. Eles se sentem confortáveis ​​para conversar e conhecer. Eles são extremamente amigáveis, falantes e sociáveis. Freqüentemente, eles se envolvem em conversas e perdem a noção do tempo. No entanto, se ficarem entediados, podem perder a atenção rapidamente. A capacidade de atenção deles está diretamente relacionada ao quanto estão gostando da conversa ou ao que estão fazendo.

Os temperamentos sanguíneos também são altamente emotivos. Se eles pensarem ou sentirem, eles o dirão. Eles não têm filtro. Sua hiperatividade geralmente leva ao esquecimento e à desorganização. Esse tipo de temperamento é extremamente competitivo. Eles dominam os esportes, a política e o mundo dos negócios. Eles também temem causar uma má impressão e rejeição. Eles querem mais ser aceitos, mas também querem ser o melhor que podem.

2. Fleumático

Os temperamentos fleumáticos também são comuns, mas podem ser vistos como quase o oposto dos temperamentos sanguíneos. Porém, é possível ter um tipo primário de sanguíneo e um secundário de fleumático, ou vice-versa.

Orientação Fleumática

Pessoas com temperamento fleumático são orientadas para o serviço. Eles são introvertidos, mas freqüentemente trabalham junto com outras pessoas para alcançar um objetivo comum. São passivos, o que leva à falta de ambição ou senso de urgência, mesmo quando trabalham com outras pessoas.

Características Fleumáticas

A passividade do tipo de temperamento fleumático leva a um conjunto distinto de características. Eles são fáceis de lidar, calmos e sem emoção. Eles podem ser indecisos e agradáveis ​​e geralmente ficam felizes em permitir que outros tomem decisões por eles.

Pessoas de temperamento fleumático demoram a se interessar pelos outros, mas farão amigos com bastante facilidade. Eles são um dos tipos de temperamento mais fáceis de conviver, porque são muito agradáveis ​​e pacientes. No entanto, eles se mantêm firmes em suas rotinas e resistem às mudanças.

Traços Fleumáticos

Pessoas com temperamento fleumático tendem a viver uma vida tranquila, centrada no lar e na família. Eles não se envolvem com o mundo ao seu redor ou com outras pessoas. No entanto, eles são ferozmente leais aos amigos e manterão um relacionamento independentemente do que a outra pessoa faça ou diga. No entanto, uma vez que um relacionamento seja rompido, é improvável que eles voltem a ele.

Este tipo de temperamento se contenta em deixar as coisas acontecerem. Eles não são rápidos para tomar decisões e não são ambiciosos. No entanto, eles resistem à mudança. Eles podem precisar de um pouco de tempo e paciência para se adaptarem às mudanças, especialmente se forem repentinas.

3. Melancolia

Quando a maioria das pessoas ouve a palavra melancolia, pensa em depressão. No entanto, o tipo de temperamento melancólico não é necessariamente deprimido, mas cauteloso. Este é outro tipo de temperamento comum.

Melancólico Orientação

Pessoas com temperamento melancólico são orientadas para os detalhes e a qualidade. Eles estão obcecados em encontrar o que é certo, em vez de estar certo o tempo todo. Eles também são cuidadosos e trabalham para garantir que todos os detalhes sejam os mais perfeitos possíveis. Eles podem ser perfeccionistas em geral.

Melancólico Características

O temperamento melancólico é um seguidor de regras. Eles podem ser cautelosos e hesitantes em ambientes desconhecidos, mas também podem se tornar agressivos quando confrontados com uma situação desfavorável. Eles são privados e introvertidos.

Esse temperamento é factual, lógico e analítico. Para funcionar sem ansiedade, essas pessoas precisam ter um plano de ação sólido e segui-lo à risca.

Melancólico Características

O temperamento melancólico geralmente é ansioso. Eles se preocupam com o futuro e com o que os outros pensam. Eles também tendem a ser indivíduos altamente culpados, preocupando-se em como as coisas poderiam ter sido feitas de forma diferente no passado. Eles raramente vivem no presente.

Esse temperamento é geralmente bem organizado, mesmo que fique desordenado. Eles geralmente chegam na hora para os compromissos e esperam que os outros também o sejam. Antes de tomar decisões, eles coletarão o máximo de informações que puderem e farão perguntas específicas para garantir que estão tomando a decisão certa.

Pessoas de temperamento melancólico também são desconfiadas e conscienciosas. Eles demoram a confiar nos outros até terem certeza de suas intenções. É difícil para eles formarem relacionamentos e eles têm padrões elevados para os relacionamentos que formam.

4. Colérico

O temperamento colérico é o mais raro dos quatro tipos principais. In particular, females with the choleric type as their primary temperament are extremely rare. It is more common for choleric to be a secondary temperament, although even this is not as common as other combinations.

Choleric Orientation

People with a choleric temperament are results oriented. They make goals and stick to them. They are driven to succeed and tend to stay positive with constant forward movement. They face opposition head-on with the mindset of getting results.

Choleric Characteristics

Choleric temperament people are extroverted and exude self-confidence. They are independent and strong willed. They have quick minds and are generally active and practical in their activities. Their communication style is assertive and direct, often brief almost to the point of rudeness.

This temperament type enjoys taking risks and gets bored easily. They can be domineering and opinionated. They find it easy to make decisions, not only for themselves but for others as well. They can be somewhat controlling in relationships. Choleric types also tend to require less sleep than other temperament types.

Choleric Traits

People with the choleric temperament are creative. They never seem to run out of ideas or plans, all of which tend to be practical. They are steadfast in their ideas, however, and will not give in to peer pressure.

While they can be compassionate and rally for social causes, in their personal life, they are slow to build relationships. They likely only have a few close friends, even though they are not afraid to meet and talk to new people. They don't tend to empathize with others. However, they are also very slow to anger, though their domineering personality and direct manner of speaking can be misconstrued as anger.


Characteristics of Personality

The term personality is used in various senses.

Generally, it is used to indicate the external outlook of an individual. In philosophy, it means internal quality.

But in social psychology, the term personality indicates-neither the external or outward pattern nor does it indicate the internal quality. It means an integrated whole. In the modem world and psychology, it has come to indicate the sum total of an individual’s characteristics and qualities.

Various thinkers, social psychologists, and others have defined personality in various ways. It is a sum of physical, mental and social qualities in an integrated manner.

Thus, personality is the sum of the ideas, attitudes, and values of a person which determine his role in society and form an integral part of his character. Personality is acquired by the individual as a result of his participation in group life. It refers to something much more essential and enduring about a person.

Beyond this basic point of agreement, personality has other characteristics or features in common.

  • Personality is something which is unique in each individual.
  • Personality refers particularly to the persistent qualities of an individual.
  • Personality represents a dynamic orientation of an organism to the environment.
  • Personality is greatly influenced by social interactions.
  • Personality represents a unique organization of persistent dynamic and social predisposition.
  • Consistency.
  • Psychological and physiological.
  • It impacts behaviors and actions.
  • Multiple expressions.

Personality is something which is unique in each individual

Personality refers to internal as well as external qualities, some of which are quite general. But it is unique to each individual. It is not possible for a person to reproduce or imitate the qualities of the personality of another person.

Personality refers particularly to persistent qualities of an individual

Every individual has a certain feeling as well as other permanent traits and qualities.

Personality is mainly composed of the persistent or permanent qualities that exhibit themselves in form of social behavior and attempt to make an adjustment with the environment.

Personality represents a dynamic orientation of an organism to the environment

Personality represents the process of learning. It takes place in reference to the environment. We do not acquire all the traits of personality at once.

Personality is greatly influenced by social interactions

Personality is not an individual quality. It is a result of social- interaction.

In other words, it means that when we come in contact with other members of society, we acquire certain qualities while We exhibit certain others. All these come to form personality.

Personality represents a unique organization of persistent dynamic and social predisposition

In personality, various qualities are not put together.

They are, in fact, integrated into one. This integration is nothing but a result of organization which may be different from man to man. The behavior of a person directed to one particular individual may differ from the behavior of another person.

That is why we put the condition of a suitable environment. This suitability is concerned with individual specificity.

Consistency

There is generally a recognizable order and regularity to behaviors. Essentially, people act in the same ways or similar ways in a variety of situations.

Psychological and physiological

Personality is a psychological construct, but research suggests that it is also influenced by biological processes and needs.

It impacts behaviors and actions

Personality does not just influence how we move and respond in our environment it also causes us to act in certain ways.

Multiple expressions

Personality is displayed in more than just behavior. It can also be seen in our thoughts, feelings, close relationships, and other social interactions.

Actually, personality is the unique combination of patterns that influence behavior, thought, motivation, and emotion in a human being. There are many approaches to the modem psychological study of personality, including the psychodynamic, learning, humanistic, biological, trait, and cultural perspectives.

It can be described as how a person affects others, how he understands, and views himself, and his pattern of inner and outer measurable traits. It encompasses the relatively stable feelings, thoughts, and behavioral patterns a person has.

In fact, our personality changes over long periods of time.


Your Walk Is So Distinct It Can Reveal Deep Personality Traits

Human movement is complex, and yet we constantly draw pretty accurate conclusions about people based on how they move. If you've ever watched John Travolta strut to the Bee Gees at the end of "Saturday Night Fever," for instance, you know the other hour and 57 minutes of character development in that movie is kind of superfluous. That walk tells you all you need to know.

Most people walk. But that seemingly simple act is actually a highly coordinated series of movements that each require their own timing and path. Not only that, everybody you know has a special style of walking, — think John Wayne's distinctive amble, or Gisele Bündchen's runway stride — and if you know them well enough, you can probably identify them by their movements, even from far away.

For instance, if your mom and sister were walking side-by-side a block ahead of you, it's likely you'd be able to tell them apart based on movement alone. It's even possible you'd be able to discern from that distance that your sister is in a bad mood and your mom is distracted by something.

Science suggests locomotion may be able to predict something deeper than someone's temporary mood. Although humans have a great built-in system for understanding movement, a new paper published in the Journal of Nonverbal Behavior presents a technique for making assumptions about a person's entire personality based on their walk. The 29 study participants first took the Big Five Inventory, a commonly used personality test that can help predict patterns in a person's thought and behaviour (conscientiousness), social skills (agreeableness), propensity to worry (neuroticism), creativity and intellect (openness) and extraversion (sociability and assertiveness). The researchers then recorded and analyzed the gaits of each participant on a treadmill.

"We found that larger relative-upper-to-lower body movement was a strong predictor of aggression," says co-author Liam Satchell, a PhD student in the Department of Psychology at the University of Portsmouth. "Similarly, we found large amounts of pelvic movement alone predict social-facing traits like extraversion and agreeableness."

Of course, we use people's walks to predict things about their personalities all the time, but this research helps pick apart and mathematically explain previous research where "distinctive" gait was helpful in predicting impending crimes in footage from security cameras. If security personnel were trained in recognizing aggressive gaits, Satchell argues, they might be able to prevent crimes before they happened.

"The results of the study have some nice surprises," says Satchell. "For us the critical message is this: there's definitely evidence of personality in gait. It could well be the case that a further scientific exploration of body language could reveal more empirical evidence that the behaviors of another person can be predicted from how they move through space."

One such study has come out recently. The journal PLOS Computational Biology published a model that can generally predict the probability of the path and timing of the parts of the movement shared by all people, and even the movements shared by people who have similar personality traits or are in the same moods — like particularly aggressive people, or people who are feeling grouchy. By modelling what's normal, the researchers created a framework for identifying movements that differ from the norm and are unique to a particular person or to someone who's acting really weird.

"Automated computer analysis of human movement has shown promise in threat identification, like in identifying possible terrorists from video surveillance," says Dr. Lars Lau Rakêt, a postdoctoral researcher in the Department of Mathematical Sciences at the University of Copenhagen. "In our proposed model, we can combine information from thousands of movement patterns to extract precise information about the structure of the movement, which ultimately allows us to judge whether the movement of an individual differs significantly from what we would expect to see in a given situation."

And while there's nothing particularly scientific nor revealing about the gaits on display in this clip below, we'd be remiss to avoid any mention of the Ministry of Silly Walks:

Not only do we walk in ways that reflect our individual personalities, we walk in the laziest way possible for our bodies according to a 2015 study, our nervous systems are constantly, subconsciously monitoring energy use, tweaking movement patterns so we can move "as cheaply as possible."


Psychopathic traits linked to non-compliance with social distancing guidelines amid the coronavirus pandemic

New research provides some initial evidence that certain antagonistic personality traits are associated with ignoring preventative measures meant to halt the spread of the novel coronavirus SARS-CoV-2.

The study has been peer reviewed and accepted for publication in the journal Social Psychology and Personality Science. It is currently available on the PsyArXiv preprint website.

“On March 31, 2020, Dr. Deborah Birx, the coordinator of the U.S. government’s Coronavirus Task Force, said, ‘There’s no magic bullet. There’s no magic vaccine or therapy. It’s just behaviors. Each of our behaviors, translating into something that changes the course of this viral pandemic over the next 30 days.’ My experience as a psychological scientist as well as a practicing psychologist has convinced me that the importance of psychology and behavior in the prevention and management of a wide range of health problems is enormous,” said study author Pavel S. Blagov, an associate professor and director of the Personality Laboratory at Whitman College.

“This includes personality, or the study of important ways in which people differ. It was clear from reports in the media very early in the COVID-19 pandemic that some people were rejecting advice to socially distance and engage in increased hygiene. There can be many reasons for this, and I thought that personality may play at least a small role in it.”

“I knew that traits from the so-called Dark Triad (narcissism, Machiavellianism, and psychopathy) as well as the traits subsumed within psychopathy are linked to health risk behavior and health problems, and I expected them to be implicated in health behaviors during the pandemic. There is also prior research suggesting that people high on the Dark Triad traits may knowingly and even deliberately put other people’s health at risk, e.g., by engaging in risky sexual behavior and not telling their partner about having HIV or STIs,” Blagov told PsyPost.

“Early in the pandemic, and in subsequent months, there were numerous reports of individuals purposefully coughing, spitting, or even licking door handles in public, either as a way to intimidate others or as a way to rebel against the emerging new norms of social distancing and hygiene. I was curious whether the Dark Triad and psychopathy-related traits may help explain such behavior.”

RelatedPosts

New study suggests ambivalence may have played a role in Trump’s 2016 victory — but pollsters missed it

New cross-cultural research sheds more light on the link between Facebook and body image disturbances

The researcher used Amazon’s Mechanical Turk to survey 502 U.S. adults between March 20 and March 23, 2020. The online survey asked participants how often they complied with health recommendations on preventing the spread of the novel coronavirus, if they planned to do so, and how they would behave if they became infected. The survey also included several assessments of personality.

“The study took place before health behaviors related to the pandemic had become extremely politicized in the U.S., and when people were still learning about the rapidly evolving situation,” Blagov noted.

Most of the participants, the researcher found, were complying with health recommendations from the U.S. Centers for Disease Control and the World Health Organization.

“It was encouraging to find that people who participated in my study generally reported engaging in social distancing and hygiene, planning to continue to engage in these measures, and being willing to do what was necessary to protect the health of loved ones, acquaintances, and strangers,” Blagov said.

But some participants reported not heeding the advice, which the researchers found was linked to several personality traits.

Blagov found that lower levels of agreeableness and conscientiousness were associated with a reduced likelihood of endorsing health recommendations related to social distancing and hygiene. In other words, people who were less sympathetic/cooperative and people who were less responsible/organized were less likely to engage in preventative measures.

In addition, people who scored higher on the psychopathic subtraits of meanness and disinhibition tended to show less interest in social distancing and hygiene. Meanness and disinhibition also predicted the endorsement of behavior that puts others at risk of infection, such as touching or sneezing on high-use surfaces in public. Disinhibition reflects poor impulse control, while meanness describes the lack of regard for others.

“People scoring high on these traits tended to claim that, if they had COVID-19, they might knowingly or deliberately expose others to it,” Blagov told PsyPost.

“One potential implication from this research is that there may be a minority of people with particular personality styles (on the narcissism and psychopathy spectrum) that have a disproportionate impact on the pandemic by failing to protect themselves and others.”

Like all research, the study includes some caveats.

“The study’s limitations included its use of a non-random, non-probability sample of only U.S. adults abbreviated trait measures and newly developed, previously untested health-behavior measures. A likely unintended effect of this may be underestimating the strength of trait-behavior correlations. The results do not mean that viral disease is spread only by irresponsible or inconsiderate people. The correlations were often small, and the scientific definitions of traits are not everyday judgments about character,” Blagov explained.

“Future research should look into actual (not self-reported) health behavior and whether it shows similar links to personality (it probably does). Research should also test more ways of framing public-health advice to find messages that may work for the more antagonistic individuals among us. Finally, it would be important to study the mechanisms behind the trait-behavior linkages.”


Psychoanalytic Perspective

The psychoanalytic perspective of personality emphasizes the importance of early childhood experiences and the unconscious mind. This perspective on personality was created by psychiatrist Sigmund Freud who believed that things hidden in the unconscious could be revealed in a number of different ways, including through dreams, free association, and slips of the tongue.  

Neo-Freudian theorists, including Erik Erikson, Carl Jung, Alfred Adler, and Karen Horney, believed in the importance of the unconscious but disagreed with other aspects of Freud's theories.

Major Theorists

Below are the most prominent psychoanalytic perspective theorists:

  • Sigmund Freud: Stressed the importance of early childhood events, the influence of the unconscious, and sexual instincts in the development and formation of personality.
  • Erik Erikson: Emphasized the social elements of personality development, the identity crisis, and how personality is shaped over the course of the entire lifespan.  
  • Carl Jung: Focused on concepts such as the collective unconscious, archetypes, and psychological types.
  • Alfred Adler: Believed the core motive behind personality involves striving for superiority, or the desire to overcome challenges and move closer toward self-realization. This desire to achieve superiority stems from underlying feelings of inferiority that Adler believed were universal.
  • Karen Horney: Focused on the need to overcome basic anxiety, the sense of being isolated and alone in the world. She emphasized the societal and cultural factors that also play a role in personality, including the importance of the parent-child relationship.


Assista o vídeo: Os 5 Grandes Traços de Personalidade Tipos de personalidade e como lidar com eles (Dezembro 2021).